TRF nega liberdade a gerente mais importante da Máfia do Cigarro - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

TRF nega liberdade a gerente mais importante da Máfia do Cigarro

Mais seis réus da Operação Nepsis, que prendeu 36 integrantes da Máfia do Cigarro em setembro de 2018 em Mato Grosso do Sul, tiveram a liberdade negada pelo desembargador federal José Lunardelli, do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), em São Paulo. Outros cinco acusados também tiveram o pedido de habeas corpus indeferido por Lurnadelli nesta semana.

Dessa vez, o desembargador federal negou liberdade a um policial militar, acusado de ajudar na passagem das cargas de cigarro contrabandeado, e a cinco gerentes do esquema, entre eles José Carlos Guimarães Ballerini, o “Irmão”.
Apontado nas investigações como um dos gerentes mais importantes da organização criminosa, José Carlos é irmão de um dos patrões da quadrilha, Ângelo Guimarães Ballerini, o Alemão.
José Carlos foi preso com Alemão em um resort de Maceió (AL), no dia 22 de setembro de 2018, quando a operação foi deflagrada. Alemão se casaria naquele dia no luxuoso hotel.
Também tiveram o habeas corpus negado o policial militar José Roberto dos Santos, Josemar dos Santos Almeida, o “Mazinho”, Adel Pereira Acosta, o “Vovô”, Diogo Machado dos Santos Leite, o “Melancia”, e Sidnei Lobo de Souza, o “Lobinho”.
Gerente importante – José Carlos Guimaraes Ballerini, o “Irmão”, é apontado nas investigações como um dos principais responsáveis pela negociação coletiva de acerto de propinas envolvendo policiais lotados em Bataguassu com colaboração do policial civil Élcio Alves Costa – “provavelmente incumbido de realizar a interlocução entre a orcrim e as forças policias”, diz trecho do processo.
José Carlos foi gravado conversando com Élcio sobre o pagamento de propina a policiais civis de Santa Rita do Pardo. Também foi citado em conversas sobre policiais rodoviários federais de Bataguassu, réus na ação penal e afastados das funções.
Irmão também teria atuado na coordenação de motoristas e olheiros em trecho de rodovias sob sua supervisão, a região do assentamento PANA, em Nova Alvorada do Sul.