Fotógrafo cria série "fofa" em homenagem a figuras históricas de Camapuã - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

terça-feira, 2 de julho de 2019

Fotógrafo cria série "fofa" em homenagem a figuras históricas de Camapuã

Toda cidade tem suas figuras históricas, que fundaram bairros, lutaram por infraestrutura ou simplesmente ajudarm a comunidade. Muitos envelhecem, morrem e se perdem na memória. Para homenagear quem muito fez pela cidade de Camapuã, o professor de matemática, mestre em cultura e fotógrafo nas horas vagas Denilson Rodrigues, 43 anos, registrou a rotina de muitos moradores.
A série produzida no preto e branco ficou apaixonante e virou até livro lançado em 2014. A obra teve 1000 cópias impressas e esgotou rapidamente. “Eu não fiz com objetivo de ganhar dinheiro, mas para divulgar o trabalho mesmo. Recebi alguns apoio e completei com recursos próprios. Essa foi a idéia do livro valorizar pessoas que muito contribuiram por Camapuã, mais que nem sempre seriam lembrados como nome de ruas ou de algum órgão na cidadade", explica.
A foto principal da matéria traz seu Valdomiro Silvério dos Santos, na época da rodagem do livro com 82 anos, e Odinia Mendonça dos Santos, 79. Com o sorriso no rosto, completavam 60 anos de casamentos.

Na cidade de Camapuã, os dois são rezadores de terço cantado. Com a idade avançada, eles já não lembram das rezas mais tem um caderninho que os acompanha. Até hoje, muitos solícitos, é só pedir que rezam, frisa Denilson.
Casado e pai de uma filha, Denilson explica que a paixão por lecionar e fotografar nasceram juntas. No entanto, foi em 2003 que as fotos foram aprimoradas. “As duas coisas caminham juntas na minha vida. Mais desenvolvi a fotografia para curar de uma depressão. A fotografia é um momento de fuga, quando estou com a máquina esqueço de tudo. Para mim o melhor momento do dia é o pôr do sol, eu devo ter mais de 1000 fotos do pôr do sol”, pontua.
Os personagens foram escolhidos a dedo. Acima dos 80 anos ou casal com mais de 50 anos de casamento.
“Em 2014, iniciei um projeto fotografando idosos na cidade de Camapuã com intuito de fazer um livro de fotografias. Lancei em dezembro de 2014, com o título "Ilustres Camapuanenses". Foram publicados 120 idosos (alguns casais), sempre privilegiando idosos acima dos 80 anos. Imprimi 1000 livros, consegui alguns patrocínios e o restante com recursos próprios, hoje disponho apenas de alguns exemplares porque foi um grande sucesso em Camapuã”, conta.Adalgiza Maria da Silva, faleceu em 2015, com 91 anos, ela teve 22 gestações e um filho adotivo. Ela era a matriarca da família mais tradicional do comércio em Camapuã, conhecido como os ”Henriques". Ela foi um grande exemplo e referência de empoderamento feminino para a cidade de Camapuã.