Sem repasse de prefeitura, único hospital de Camapuã corre risco de funcionar por mais 24h - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sábado, 20 de julho de 2019

Sem repasse de prefeitura, único hospital de Camapuã corre risco de funcionar por mais 24h

O secretario de saúde, André Targino, informou que a Secretaria não tem dinheiro suficiente para fazer o repasse de 200 mil e que o órgão tem condições de repassar apenas R$ 110 mil, valor que foi recusado pelo hospital. Ele também informou que "não está jogando a responsabilidade para a instituição, mas por o hospital ser uma entidade filantrópica, precisa fazer ações próprias como almoços e leilões para arrecadar dinheiro". Questionado sobre os problemas do fechamento do hospital, Targino informou que na cidade há 6 postos de saúde que oferecem atendimento médico e ambulatorial que presta o serviço de urgência.
Conforme o secretário, anualmente a prefeitura repassou um valor de R$ 2 milhões e 400 mil para o hospital e que esse ano, o órgão repassou cerca de R$ 1 milhão e 290 mil, uma média de R$ 200 mil por mês. O secretário afirma que a solicitação do hospital não pode ser atendida no momento porque o montante irá interferir no pagamento dos funcionários da saúde do município.
Targino disse que formalizou um documento para firmar a contra-proposta e que a instituição recusou, até mesmo por estar sem certidão de regularidade, o que o impede de fazer o convênio. O hospital rebateu a informação da regularidade e disse que está em dia com a documentação e apenas aguarda o convênio no valor ajustado para apresentar a certidão.
De acordo com o hospital, 60 pessoas deixaram de ser atendidas diariamente. A despesa mensal da instituição é de R$ 300 mil, porém o convênio que foi encerrado em julho deste ano repassava R$ 200 mil e que uma dívida que ultrapassa R$ 1 milhão de reais agrava ainda mais a situação.

O caso

Um aviso dizendo que o atendimento será somente para emergência e urgência colocado na porta do hospital às 16h dessa terça-feira (16), pegou de surpresa os moradores de Camapuã. Funcionários não receberam o salário deste mês e fornecedores de remédios e produtos que atendem a unidade cortaram o fornecimento por falta de pagamento.