Após 1h30 de discussão, aprovado projeto sobre Ministério Público de Contas - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Após 1h30 de discussão, aprovado projeto sobre Ministério Público de Contas

Manobra para suspender sessão, pedido de vistas e muita discussão hoje na Assembleia Legislativa, durante a votação do projeto da organização funcional do Ministério Público de Contas. Durante quase uma hora, os deputados Renan Contar (PSL) e João Henrique Catan (PL) tentaram de tudo para evitar a votação, sem sucesso: a proposta foi aprovada por 18 votos a 2.
Para inviabilizar a votação da PEC (Proposta de Emenda constitucional), eles se declararam ausentes. Com 16 deputados presentes, contando com o presidente, havia quórum mínimo para votações dessa natureza e a ausência deles faria com que o projeto não fosse votado.
A manobra fez com que o presidente da Assembleia, Paulo Corrêa (PSDB), suspendesse a sessão para eventualidade de duas hipóteses: dissuadir os deputados da ideia ou esperar que outros chegassem e completassem o quórum necessário.
Vinte minutos depois, a sessão foi reaberta com número até acima do mínimo necessário. Mesmo assim, a estratégia para minar a votação continuou. Catan questionou a rapidez com que o projeto foi apresentado e Correa respondeu que já havia acordo de líderes e de mais dez deputados para aprovação.
Renan Contar pediu vistas, o que adiaria a votação, mas a solicitação foi submetida à avaliação do plenário, sendo negada. O projeto foi aprovado e, as quatro emendas propostas por Catan, negadas, sob alegação de que deveriam ter sido apresentadas em prazo que acabou no dia 20 de agosto.

Autonomia - O projeto da discórdia foi apresentado pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado de MS) no mês passado e trata da organização funcional do Ministério Público de Contas. O texto é o mesmo de proposta apresentada originalmente em 2015, porém, naquele ano, como se fosse de autoria do Legislativo.
Na proposta, constam mudanças como a de organização de concursos públicos, que passaria a ser feito pelo Tribunal de Contas, já que o ministério não tem autonomia financeira. O projeto também mantinha em quatro o número de procuradores, barrando a intenção do MP de aumentar para sete. Em 2015, ele foi aprovado.