Um dia após sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói, passageiros da linha relatam preocupação no trajeto - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Um dia após sequestro de ônibus na Ponte Rio-Niterói, passageiros da linha relatam preocupação no trajeto

Um dia após o sequestro de um ônibus na Ponte Rio-Niterói, passageiros que usam diariamente a mesma linha relatam que ficaram apreensivos.
A equipe de reportagem da TV Globo refez o trajeto, na madrugada desta quarta-feira (21), com o transporte da linha 2520 que seguia de São Gonçalo em direção ao Estácio, na Região Central do Rio.
O sequestro na Ponte ocorreu no início da manhã de terça-feira (20) e durou cerca de 4h. A ação terminou com o sequestrador morto depois de ser baleado por um atirador de elite da polícia.
O ônibus com 46 lugares estava mais vazio que o normal nesta quarta-feira, de acordo com os passageiros.
A enfermeira Jane Lúcia estava de folga na terça e conta que, caso estivesse trabalhando, teria embarcado no ônibus sequestrado.
"Ontem foi um livramento de Deus porque se eu estivesse trabalhando, estaria nesse ônibus (sequestrado). Meu sobrinho me mandou uma mensagem. Ele ia pegar esse ônibus, mas veio outro ônibus na frente – o 529 – e ele pegou. Quando ele me mandou a notícia eu pensei: ‘Como essas pessoas devem estar se sentindo dentro do ônibus?'", contou Jane.
Os passageiros que precisam sair de casa durante a madrugada contam que ficam apreensivos durante o trajeto.
"Aqui de trás, a gente já fica apreensivo. Isso aí é todos os dias dessa forma porque, até a gente conseguir subir a Ponte (Rio-Niterói), passar do Vão Central, a gente vai tenso", disse a passageira Alessandra Nunes. O escrevente Luiz Carlos, que pega o ônibus da linha há sete anos, conta com a fé para sair de casa depois de saber de uma situação como a que aconteceu nesta terça-feira.
"Só pedindo a Deus. Você acorda pedindo a Deus para proteger. Não só esse, como todos os ônibus e todo mundo aqui precisa sair nesse horário. Não tem jeito", relatou o passageiro. Ao chegar no ponto final nesta quarta-feira, depois de 1h15 de viagem, a passageira Jane Lúcia relata a sensação de alívio.
"É uma sensação de alívio. A gente não tem noção do que pode encontrar nessa viagem", disse ela.
Sequestro de ônibus Um criminoso fez 39 reféns dentro de um ônibus por três horas e meia - a maior parte na Ponte Rio-Niterói - nesta terça-feira (20).
Às 9h04, o sequestrador, identificado como Willian Augusto da Silva, foi baleado por um atirador de elite ao descer do coletivo.
Às 9h18, a PM afirmou que o sequestrador estava morto e que todos os reféns passavam bem. A arma que ele portava era de brinquedo.
O bandido anunciara o sequestro às 5h25. Meia hora depois, já na Ponte, ele ordenou ao condutor para atravessar o veículo na pista sentido Rio. Seis pessoas foram libertadas ao longo das negociações.
O trânsito para o Rio ficou fechado desde as 6h. Às 7h20, também foi interditada a pista oposta.
Os passageiros viram um revólver - que era de brinquedo -, uma arma de choque e uma faca, além de uma garrafa PET cheia de combustível.
Ao ser baleado, ele foi levado para o Hospital Souza Aguiar. "O paciente chegou em parada cardiorrespiratória, e foi constatado o óbito pela equipe médica do hospital", diz nota da Secretaria Municipal de Saúde.
O porta-voz da PM, Coronel Mauro Fliess, afirmou que considera a hipótese de o sequestro do veículo ter sido premeditado. Segundo informações dos policiais militares que estavam no local, o homem parecia desorientado.
O criminoso se identificou como PM, mas ele não pertencia à corporação.
Esta linha sai do Jardim Alcântara, em São Gonçalo, na Região Metropolitana, e vai até o Estácio, na região central do Rio. Ela é a única linha que cobre os bairros do Rocha, Columbandê, Lindo Parque e Galo Branco em direção ao Rio.