Witzel chega de helicóptero e celebra ação do Bope na Ponte Rio-Niterói - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Witzel chega de helicóptero e celebra ação do Bope na Ponte Rio-Niterói

O governador Wilson Witzel chegou de helicóptero a Ponte Rio-Niterói, momentos depois do sequestrador do ônibus da linha 2520 (Alcântara x Estácio) ser atingido por um sniper da Polícia Militar, na manhã desta terça-feira. Witzel saiu da aeronave sorrindo e comemorando a ação do Bope.
O governador também abraçou e parabenizou os policiais que estavam no local. Em entrevista coletiva à imprensa, Witzel agradeceu o trabalho desenvolvido pela Polícia Militar e pediu desculpas pelo transtorno no trânsito.
"Primeiro, agradecer a Deus essa solução que, infelizmente, não era a melhor possível. O ideal era que todos saíssem com vida. Mas, nós tivemos que tomar uma decisão de salvar os reféns. A primeira preocupação nossa é salvar os reféns. Rapidamente solucionar o problema. O que nós assistimos foi um trabalho muito técnico da Polícia Militar. Fiquei monitorando para fazer meu trabalho como governador, e a polícia militar usando os atiradores de elite salvou os reféns. Meu papel como governador é fazer com que tudo funcione. E funcionou. Nos mobilizamos rapidamente. Peço desculpas à sociedade pelo transtorno".
Questionado sobre o estado de saúde do sequestrador, Witzel perguntou aos assessores que estavam no local e confirmou a morte do homem. "Ele já foi a óbito. Quero dizer que eu determinei que cuide tanto dos nossos reféns quanto da família daquele que foi levado a óbito. Conversei com familiares dele. Um dos familiares me pediu desculpas. Pediu desculpas a toda sociedade, pediu desculpas aos reféns. Disse que alguma coisa falhou na educação. Eu disse que ela não deve pedir desculpas", continou.
O governador também ressaltou a importância da atividade da polícia em casos como o desta terça-feira. "Muitas vezes a população não entende o trabalho da polícia, que tem que ser dessa forma. Se não tivesse abatido o criminoso, muita gente poderia ter morrido. Isso está acontecendo nas comunidades. Se a polícia puder fazer o trabalho dela de abater quem tiver de fuzil, muitas vítimas serão poupadas", concluiu.