"Ele foi para matar", diz delegado sobre execução atrás de shopping - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sábado, 21 de dezembro de 2019

"Ele foi para matar", diz delegado sobre execução atrás de shopping

“Ele foi ali para matar o Eder”. A constatação é do delegado José Roberto de Oliveira Júnior, sobre o homem que matou Eder Henrique Coenga, de 27 anos, a tiros, nesta sexta-feira (20), no trecho sem saída da Rua Frederico Soares próximo ao Shopping Campo Grande.
A Polícia Civil já tem um suspeito para o crime, que pode ter motivação passional. Ao ver as imagens de uma câmera de segurança que flagrou a execução a irmã da vítima, 34, disse que o atirador tem uma tatuagem semelhante a do ex-namorado de Eder. 
As imagens também contrariam a versão dada inicialmente por vizinhos do local do crime. O suspeito estava a pé e fugiu em um veículo após o disparo e não de moto, conforme suspeitavam moradores. Testemunha disse ter ouvido dois disparos, mas Eder foi morto com apenas um tiro no peito, conforme o delegado.
“O Eder desce a rua a pé, sozinho, pouco depois o suspeito vai atrás. Houve uma conversa rápida, possivelmente um princípio de discussão. O autor atira e sai correndo”, descreve o delegado, que é plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro. Aparentemente, ainda segundo José Roberto, vítima e suspeito de fato se conheciam.
“Não houve nenhum tipo de contato intimo. O autor foi ali para matar o Eder”, completa. Ao menos, preliminarmente estão descartadas as possibilidades do crime se tratar de um latrocínio (roubo, seguido de morte) ou homofobia. “Ele matou e imediatamente saiu correndo. Já temos um suspeito e, inicialmente, descartamos latrocínio ou crime de ódio. Num primeiro momento é tratado como crime passional”, esclarece José Roberto.
Ainda conforme o registro policial sobre o caso, no local do crime foi apreendido um par de chinelos, possivelmente do autor (tendo em vista que a vítima estava de tênis, uma corrente prata e com o celular). Esta noite, policiais militares do Choque que atenderam a ocorrência também mostraram para irmã de Eder o vídeo do momento da execução.