Força Nacional em Dourados também busca presos que fugiram na fronteira - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Força Nacional em Dourados também busca presos que fugiram na fronteira

Além de monitorar a área rural em disputa entre proprietários rurais e índios em Dourados, a 233 km de Campo Grande, agentes militares da Força Nacional também integraram as forças de segurança que buscam os 75 presos evadidos da Penitenciária de Pedro Juan Caballero, na linha de fronteira, na madrugada deste domingo (19).O secretário de justiça e segurança pública Antônio Carlos Videira afirma que, agora, os agentes também estão monitorando áreas urbanas, a exemplo da rodoviária e Aeroporto de Dourados. Para Videira, o motivo é que Dourados – maior cidade da faixa de fronteira – pode ser rota de fuga dos presos brasileiros para outros estados.
Os 75 fugiram de duas celas do pavilhão B destinado aos faccionados do PCC (Primeiro Comando da Capital), que estaria por trás do plano de fuga. Três camionetes foram encontradas incendiadas no distrito de Ponta Porã, Sanga Puitã. Do total, 40 são brasileiros.
“Nós também reforçamos policiamento em Dourados, é a maior cidade da faixa de fronteira a pouco mais de 100 km de Ponta Porã, portanto a força nacional tem nos auxiliado na área urbana e na fiscalização no entorno de Dourados. Dourados e Nova Alvorada do Sul, por exemplo, são localidades que têm nos seus terminais rodoviários acesso a rotas interestaduais rodoviárias, portanto a fiscalização é de quem está embarcando para outros estados, até porque a maioria dos que fugiram, brasileiros, são de outros estados”, disse o secretário.
Fronteira fechadas – O trânsito na fronteira entre Brasil e Paraguai, em Mato Grosso do Sul, continua livre, mas rodovias federais, estaduais, estradas vicinais e locais de transbordo estão com efetivos de todas as forças policiais do estado.
“Reforçamos com as equipes locais, a polícia militar, a polícia civil, DOF, Defron e a PRE e encaminhamos da Capital equipes do Bope, Choque e da Derf para robustecer policiamento. O DOF ficou com as vicinais, a polícia militar estadual com as rodovias estaduais e a polícia rodoviária federal com policiamento nas rodovias”, disse Videira.
O secretário, ainda assim, não descartou a possibilidade do envio de novas tropas da força nacional para Mato Grosso do Sul. “O que nós fizemos foi intensificar o policiamento na fronteira, não somente na faixa, mas na linha e nas divisas. O Ministro [da Justiça, Sérgio Moro] já havia em dezembro editado uma portaria para a força nacional atuar na fronteira com o Paraguai e a Bolívia, portanto não depende de uma nova portaria, mas apenas de eventual envio de novas tropas para reforçar”, comentou.