“O último a sair apaga a luz” é o desespero de quem para de trabalhar amanhã - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 20 de março de 2020

“O último a sair apaga a luz” é o desespero de quem para de trabalhar amanhã

É dia de despedida, temporária no comércio de Campo Grande. No último dia antes que passe a valer decreto que obriga diversos setores comerciais a fecharem as portas até o dia 5 de abril, desespero e melancolia dividem espaço entre os dos trabalhadores. Sem saber se terão emprego ou mesmo como pagar as contas, o medo do contágio do coronavírus parece ter perdido a prioridade. No comércio da pandemia, o último que sair apaga a luz é o desespero de quem vende para comer.

Um clima de ineditismo, de que esta é uma época que entrará para os livros de história, já começa a se refletir nos semblantes de funcionários e pequenos proprietários nesta sexta-feira (20), que por não terem referências para lidar com o cenário, estão preenchidos por incertezas. Há, entre eles, quem não estava sabendo do decreto que suspendeu o atendimento presencial para conter a pandemia na cidade.

Com os acontecimentos diários (que levam em conta principalmente a evolução dos casos) o comércio não conseguiu planejamento a tempo e promoção para fisgar os clientes antes do encerramento não se vê. Por outro lado, algumas lojas já fizeram escalas com os funcionários e não estão recebendo mais produtos dos fornecedores.

Gerente de uma loja de roupas na Rua 14 de Julho, Tatiana Aparecida da Silva está preocupada porque a empresa ainda não deu informações sobre o salários dos funcionários. “Estou preocupada com o meu salário, como a empresa vai lidar?”, comentou. O ourives Nagib Maluf, proprietário de loja na Rua Barão do Rio Branco, já está resignado. Isso porque não foi preciso decreto para que ele entendesse o que ia acontecer. O movimento já caiu completamente.