Campo Grande e Três Lagoas seguem com maiores riscos de Covid-19 - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sábado, 25 de abril de 2020

Campo Grande e Três Lagoas seguem com maiores riscos de Covid-19

Boletim divulgado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde) neste sábado (25) indica que em Mato Grosso do Sul o cenário da curva crescente de Covid-19 está em Campo Grande e Três Lagoas, que acumulam mais casos e mortes. O boletim traz 4 novos casos neste sábado, 2 em Campo Grande e 2 em Três Lagoas, mas o número de óbitos pela doença se mantém em 7. No total, hoje a Capital tem 110 infectados e Três Lagoas 39. O secretário de Saúde, Geraldo Rezende, voltou a reclamar dos "índices sofríveis" de isolamento social em Mato Grosso do Sul, que têm mostrado relação direta com o aumento de casos. Neste sábado, o percentual é de apenas 42,4% de isolamento, enquanto que no inicio da pandemia chegou a 64,3%. "Teríamos que ter, pelo menos, mais de 60%", ressaltou.

Subiu para 217 o número de pessoas infectadas com Covid-19, a doença do novo coronavírus, em Mato Grosso do Sul. As novas pessoas que desenvolveram a doença são três mulheres e um homem, com idades de 29 a 41 anos. Em Campo Grande há um homem de 41 anos em isolamento domiciliar e uma mulher 29, também em isolamento domiciliar.

Já em Três Lagoas, cidade que preocupa pela curva crescente de casos e mortes, são duas mulheres de 31 e 36 anos, também em isolamento dentro de casa. Permanecem em investigação 25 casos em Mato Grosso do Sul, já foram notificados  2.072 e descartados 1809.

Em Campo Grande não há rastreamento da origem dos casos novos, mas em Três Lagoas, a mulher de 36 anos teve contato com uma pessoa doente e a de 36 é uma profissional de saúde.

Das 217 pessoas doentes, 86 estão em isolamento domiciliar e 19 internados. Desse total, 105 pessoas já se recuperaram e 7 faleceram em decorrência da Covid-19.

No Brasil até sexta-feira (25) foram confirmados mais de 52 mil casos da doença e 3,6 mil mortes, com aumento de mais de 300 casos. No Mundo, o número de contaminados ultrapassa os 2,7 milhões e as mortes, 196 mil.