Impeachment de Bolsonaro divide o país, diz Datafolha - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 29 de abril de 2020

Impeachment de Bolsonaro divide o país, diz Datafolha

O brasileiro está dividido sobre a conveniência de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro (sem partido), mas o presidente mantém estável sua base de apoio em cerca de um terço da população.
Também cresceu o apoio à possibilidade de o presidente renunciar devido à crise política enquanto enfrenta a pandemia do novo coronavírus. Agora, os que querem a renúncia empatam com aqueles que a rejeitam.

Foi o que aferiu o Datafolha nesta segunda (27), já sob o impacto da bombástica saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública, ocorrida na sexta (24), quando o ex-ministro acusou Bolsonaro de querer interferir politicamente na Polícia Federal.

Segundo o instituto, 45% querem que a Câmara dos Deputados abra um processo de impeachment contra o presidente, enquanto 48% rejeitam a medida. Não sabem opinar 6%.

Foram ouvidas 1.503 pessoas por telefone, e a margem de erro é de três pontos percentuais.

Já o apoio à eventual renúncia de Bolsonaro cresceu em relação à pesquisa feita de 1º a 3 de abril. Naquela rodada, 59% dos ouvidos pelo Datafolha se diziam contrários ao gesto. Agora, são 50%, empatados com os 46% que desejam que ele renuncie -eram 37% no começo do mês.

Por outro lado, a avaliação geral do presidente se mostra estável ante a mais recente pesquisa do Datafolha que a aferiu, no começo de dezembro, de forma presencial. Como não o instituto não fez essa pergunta de lá para cá, não é possível saber se houve variações na opinião pública no caminho.

Hoje, acham Bolsonaro ruim ou péssimo 38%, com 33% dos brasileiros o avaliando como bom ou ótimo e 26%, como regular. Em dezembro, eram 36%, 30% e 32%, respectivamente.Sua melhor avaliação ocorre entre moradores do Norte/Centro-Oeste (41% de aprovação) e os mais ricos (40%). A pior, entre nordestinos (43% de rejeição) e habitantes do Sudeste (41%), além daqueles mais instruídos (47%).

A crise política ganhou contornos dramáticos quando Moro pediu demissão após o presidente exonerar contra sua vontade o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. O ex-ministro fez um duro pronunciamento, acusando Bolsonaro de interferência política no órgão.

Bolsonaro negou a intenção, e o caso será analisado pelo Supremo Tribunal Federal. Bolsonaro quer colocar à frente da Justiça e Segurança Pública, assim como na PF, nomes próximos à sua família -seus filhos são alvo de investigações em temas que vão de ligação com milícias no Rio e disseminação de fake news.

Segundo o Datafolha, que aferiu que 89% das pessoas tomaram conhecimento da saída do então ministro do governo, a versão de Moro para o caso é majoritária entre os brasileiros.Para 52% dos ouvidos, o ex-ministro é quem fala a verdade no caso, ante 20% que acreditam no presidente, 6% que não creem em nenhum dos dois e 3%, que acham que ambos estão certos. Não souberam responder 19%.

Jovens de 16 a 24 anos são os que mais acreditam em Moro, 60%, enquanto o grupo que mais acredita em Bolsonaro (34%) é aquele que ganha de 5 a 10 salários mínimos.Questionados se Bolsonaro quer intervir politicamente na PF e Moro fez bem em deixar o cargo, 56% disseram que sim. Já 28% acham que o presidente não tem tal intenção e o ex-ministro errou ao pedir demissão, enquanto 4% não concordam com as duas colocações e 13%, não sabem dizer.

Creem mais na acusação de Moro aqueles que ganham de 5 a 10 salários mínimos (69%) e quem possui curso superior (68%). Já quem mais acredita que o presidente são aqueles que ganham de 2 a 5 mínimos (34%).

Conforme o jornal Folha de S.Paulo mostrou, a judicialização do caso agradou o centrão, grupo que tem talvez 200 dos 513 deputados, que desejam extrair vantagens e cargos do governo enquanto o destino de Bolsonaro é delineado.

Além disso, Moro não é exatamente bem quisto entre esses parlamentares, muitos dos quais foram alvos de ações da Operação Lava Jato, que teve no então juiz federal seu principal artífice de 2014 ao fim de 2018, quando aceitou ser ministro a convite do presidente eleito.

Há diversos pedidos de impeachment esperando análise na Câmara, mas o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sinalizou nesta segunda que irá agir com cautela.Moro tornou-se o ministro mais popular do governo Bolsonaro até a crise da Covid-19, quando a avaliação positiva do então titular da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, subiu bastante.

Isso até Bolsonaro o demitir porque eles discordavam da condução do combate ao vírus, com o presidente favorecendo soluções não recomendadas por organismos internacionais como o fim do isolamento social.

Moro mantém uma imagem muito positiva. Segundo o Datafolha, 64% dos brasileiros consideram seu trabalho ótimo ou bom, enquanto 22% o julgam regular e apenas 8% o reprovam. Sua aprovação é a mesma entre quem aprova (62%) e quem desaprova (63%) o governo Bolsonaro.

Segundo os 43% dos entrevistados, o combate à corrupção irá piorar a partir daqui; 21% pensam o oposto e 26%, que tudo ficará como está. Já a segurança pública, outro setor de sua antiga pasta, irá piorar para 36%, ficar igual também para 36% e melhorar, para 20%.

Apesar da estabilidade em seu apoio geral, Bolsonaro enfrenta uma piora na sua avaliação como condutor da crise do coronavírus.Em relação ao levantamento de 17 de abril, a reprovação subiu de 38% para 45%, e a aprovação caiu de 36% para 27%. Consideram o trabalho do presidente regular 25%, o mesmo patamar anterior (23%).

O presidente se sai pior entre quem tem ensino superior (56% de ruim e péssimo) e melhor entre os mais ricos (acima de 10 salários mínimos de renda mensal, 33% de ótimo e bom).

Já 49% dos ouvidos acham que Bolsonaro perdeu a capacidade de liderar o país -eram 44% no levantamento anterior, ou seja, há um oscilação perto do limite da margem de erro. Regionalmente, o índice maior é no Sudeste, 53%.

Na mão contrária, caiu de 52% para 45% o número daqueles que veem o presidente em condições de ocupar o cargo. A taxa sobe no Norte e Centro-Oeste, com 57%.Além disso, os entrevistados não confiam no que diz o presidente. Para 38%, nunca é possível confiar numa declaração dele, ante 37% que dizem ser possível confiar às vezes e 21%, que confiam sempre.

Desconfiam mais moradores do Sudeste (41%) e de regiões metropolitanas (43%), onde se concentram os panelaços que acompanham os pronunciamentos presidenciais na crise.

A substituição de Mandetta pelo médico Nelson Teich também não foi bem recebida pela população. Para 34%, o novo ministro fará uma gestão pior que o anterior, enquanto 25% acham que será igual e 13%, que ele será melhor. Não souberam opinar 28%.

Já a avaliação do desempenho do Ministério da Saúde também sofreu uma queda forte sem Mandetta, voltando ao nível do começo da pandemia.Em pesquisa de 18 a 20 de março, 55% aprovavam o trabalho. O número saltou a 76% de 1º a 3 de abril e agora caiu novamente para 56%. O mesmo movimento se vê na reprovação, que marcou 12%, 6% e 13%, respectivamente. A avaliação regular caiu de 31% para 18%, e agora está em 26%.

ENTREVISTAS FORAM REALIZADAS POR TELEFONE

A pesquisa telefônica, utilizada neste estudo, representa o total da população adulta do país. As entrevistas são realizadas por profissionais treinados para abordagens telefônicas e as ligações feitas para aparelhos celulares, utilizados por cerca de 90% da população.O método telefônico exige questionários rápidos, sem utilização de estímulos visuais, como cartão com nomes de candidatos, por exemplo.

Assim, mesmo com a distribuição da amostra seguindo cotas de sexo e idade dentro de cada macrorregião, e da posterior ponderação dos resultados segundo escolaridade, os dados devem ser analisados com alguma cautela por limitar o uso desses instrumentos.

Na pesquisa divulgada hoje, feita dessa forma para evitar o contato pessoal entre pesquisadores e respondentes, o Datafolha adotou as recomendações técnicas necessárias para que os resultados se aproximem ao máximo do universo que se pretende representar.

Todos os profissionais do Datafolha trabalharam em casa, incluídos os entrevistadores, que aplicaram os questionários de suas casas através de central telefônica remota.

Foram entrevistados 1.503 brasileiros adultos que possuem telefone celular em todas as regiões e estados do país. A margem de erro é de três pontos percentuais. A coleta de dados aconteceu no dia 27 de abril de 2020.

NAOM