Jovem morre em posto após ouvir que tinha "problema emocional" - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Jovem morre em posto após ouvir que tinha "problema emocional"

Aos 18 anos, Jenifer Tais Rodrigues de Morais morreu após ser diagnóstica com "problema emocional" e tomar duas injeções. O fato aconteceu na noite de ontem (12) no CRS (Centro Regional de Saúde) do Bairro Tiradentes, localizado na Avenida José Nogueira Vieira, em Campo Grande.Conforme boletim de ocorrência, Tatiane Cristina de Morais Santos, 35 anos, mãe de Jenifer, contou que a filha sofria de bronquite asmática, quando na quinta-feira (9) começou a passar mal e foi levada à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Universitário.

Lá, Jenifer foi medicada, ficou um dia inteiro em observação na área vermelha e no fim da tarde liberada. No outro dia, na sexta-feira (10), a jovem passou a sentir dores no peito e no braço esquerdo. Foi medicada em casa, mas durante a madrugada voltou a sentir dores.

Ontem de manhã (12), Jenifer tomou um relaxante muscular, porém as dores continuaram e por volta das 16h40 voltou a tomar outro comprimido, mas não adiantou. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado por volta das 17h e levou a paciente para o posto de saúde do Bairro Tiradentes.

Após atendimento, o médico disse para a mãe que os sintomas de Jenifer  era emocional, pois 80% dos casos de bronquite asmática era emocional e prescreveu Diazepam  e Dexametasona. As medicações foram aplicadas por injeção. Segundo relatos da mãe, após a filha ser medicada passou a sentir falta de ar, suar frio, sentir coceira pelo corpo, retorcer os dedos dos pés, mãos e dobrar a língua.

Jenifer, então, foi levada para a área vermelha da unidade. Na sequência, um médico informou que a paciente havia sofrido parada-cardíaca, mas que seria entubada e transferida para um hospital. Pouco tempo depois, a mãe foi informada que Jenifer havia sofrido outra parada cardíaca vindo a óbito.  O corpo foi levado ao Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) para exame necroscópico e por volta das 9h 30 ainda não havia sido liberado.