Dois funcionários de "loteria" são presos em nova fase da Operação Omertà - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quinta-feira, 18 de junho de 2020

Dois funcionários de "loteria" são presos em nova fase da Operação Omertà -

A força-tarefa da Operação Omertà prendeu na manhã desta quinta-feira (18) dois funcionários da Pantanal Cap, empresa da família Name, em Campo Grande. Lucimar Calixto e Benevides Candido Pereira foram levados para o Garras (Delegacia Especializada Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros) em mais uma ação contra o grupo de extermínio que atuava em Mato Grosso do Sul.

 Lucimar é ex-assistente administrativo da empresa de títulos de capitalização. Segundo o advogado Augusto Fontoura, o cliente já foi alvo da segunda fase da operação, que aconteceu em março deste ano para apurar denúncias sobre plano para matar um promotor e um delegado. Na ocasião, os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa de Calixto. Agora, a ordem judicial é de prisão preventiva.

 A defesa afirmou que não sabe o envolvimento de Lucimar com os crimes investigados pela força-tarefa da Omertà, mas garantiu que o cliente não tem passagens pela polícia e há cerca de três meses não trabalha mais no Pantanal Cap.

Conforme denúncia do Gaeco, a empresa pertence a Jamil Name, apontado desde o ano passado como líder do grupo criminoso. Na segunda fase da Omertà, a polícia cumpriu, inclusive, mandado de busca e apreensão na sede da Pantanal Cap, um sobrado, na rua Uberlândia.

Outro funcionário preso nesta manhã foi identificado como Benevides Candido Pereira. Não há detalhes sobre seu envolvimento. Além dos dois, outros três presos durante as ações estão na delegacia especializada: Cinthya Name, sobrinha de Jamil Name, Lucas Silva e o funileiro Paulo Malaquias.

Paulo teve a casa, no Bairro Moreninhas, vistoriada e está na lista dos alvos com mandado de prisão preventiva. O advogado dele, Christopher Oliveira, já está na delegacia e aguarda para conversar com o cliente. Já Lucas, conforme apurado pela reportagem, foi preso em flagrante por porte ilegal de arma na segunda fase da operação. - Entenda – Equipes do Garras, do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) e do Gaeco (Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado) voltaram as ruas nesta manhã para a terceira fase da operação contra o grupo criminoso ligado a pelo menos quatro execuções em Campo Grande.

Os mandados de prisão e também de busca e apreensão são cumpridos em Campo Grande e Ponta Porã.

Conforme apurado pela reportagem, também estão presos um investigador da Polícia Civil, um policial militar e o delegado Márcio Shiro Obara, ex-titular da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios) e atualmente lotado na 2ª DP (Delegacia de Polícia) em Campo Grande.