“Galã do PCC” vira réu por empresa de fachada dona de 36 imóveis em Ponta Porã - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

segunda-feira, 20 de julho de 2020

“Galã do PCC” vira réu por empresa de fachada dona de 36 imóveis em Ponta Porã -

A 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande aceitou denúncia contra Elton Leonel Rumich da Silva, o Galã do PCC (Primeiro Comando da Capital), e familiares por manter empresa de fachada, proprietária formal de 36 imóveis em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. O grupo foi alvo da operação Spollium, realizada pela PF (Polícia Federal) no mês de março. De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), a Construtora JB Progresso recebia imóveis e veículos para ocultar a origem ilícita dos bens.  A empresa teve atividade suspensa pela Justiça. As investigações apontam para compra, venda e simulações de transferências de imóveis localizados em Ponta Porã e cidades de São Paulo (Diadema, Santos e Presidente Prudente) em nome de laranjas ou da empresa de fachada.

Segundo a denúncia, as transações totalizaram 43 atos de lavagem de dinheiro entre 2013 e 2019. Atualmente, a JB ainda figura como proprietária formal de 36 imóveis localizados em Ponta Porã. Também foi constatado ao menos 8 atos de lavagem de dinheiro envolvendo veículos.

A organização criminosa mantinha planilhas de controle das despesas referentes à empresa e, muitas vezes, a contabilidade se confundia com registros financeiros do tráfico de drogas e de armas. Conforme o MPF, comprovando que a pessoa jurídica foi constituída unicamente com o objetivo de lavar o dinheiro do grupo criminoso.

A denúncia foi aceita pela juíza Júlia Cavalcante Silva Barbosa. “Em concreto, a peça descreve com suficiência a existência de uma organização criminosa estruturada, em tese, liderada por Elton Leonel Rumich da Silva que, auxiliado por pessoas de sua confiança, teria ocultado a propriedade de direitos societários sobre a JB Progresso, empresa por meio da qual passou a adquirir bens para, em seguida, ocultar-lhes e dissimular-lhes a propriedade mediante o registro em nome de interpostas pessoas”, informa a magistrada.

 -