Nem a morte separou Luiz e Maria, que morreram de covid com 15 dias de diferença Quem conta a história é o filho Itamar, que também teve a doença, e revela que o conforto é saber que os pais estão com Deus - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Nem a morte separou Luiz e Maria, que morreram de covid com 15 dias de diferença Quem conta a história é o filho Itamar, que também teve a doença, e revela que o conforto é saber que os pais estão com Deus

 Num período de 15 dias, Itamar Rodrigo Amorim Buzzatta, 40 anos, perdeu o pai e a mãe por covid-19. O que pode ser considerado uma tragédia, só se consegue superar com a fé e é com ela que Itamar se sustenta e se fortalece todos os dias ao encarar a saudade.



Casados por 40 anos, Luiz Orlando Buzzata, 63 e Maria Amorim Buzzatta, 67, não conseguiram cumprir o voto de “até que a morte os separe” e dias depois do marido partir, foi a vez de Maria ir de encontro a Luiz.


Segundo Itamar, o primeiro a adoecer foi ele, que ficou internado por quatro dias e ao voltar pra casa, ficou em isolamento, no quarto, longe dos pais. Mas não adiantou, já que de noite, enquanto ele dormia, a mãe o visitava no quatro para verificar se ele estava com febre.


“Meu pai me contou isso só depois que minha mão internou”, disse, lembrando que enfatizava que os pais deveriam ficar longe dele até que cumprisse a quarentena e os pratos de comida deveriam ser deixados na porta, evitando contato. “Minha mãe pegou de mim, enquanto verificava minha febre, mas eu não via, porque estava dormindo à base de remédio”, Itamar, Luiz e Maria. Os três pegaram covid-19. Luiz e Maria não resistiram. (Foto: Arquivo Pessoal)