Projeto proíbe divulgar CPF dos clientes nas contas de água e luz - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sábado, 8 de agosto de 2020

Projeto proíbe divulgar CPF dos clientes nas contas de água e luz

 O projeto apresentado na Assembleia proíbe as concessionárias de divulgar o número de CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) dos consumidores nas tarifas de água, luz e esgoto. A intenção é evitar que estes dados pessoais sejam utilizados para realização de golpes e fraudes.

"O conhecimento dos dados pessoais dos consumidores, um prato cheio para a ocorrência de fraudes. É possível contratar serviços e também fazer crediários no nome da vítima, que só vai descobrir o golpe quando estiver com o nome sujo”, justifica o autor do projeto, o deputado Marçal Filho (PSDB).

A proposta destaca que esta proibição é sobre as faturas vem são enviadas “abertas” para os consumidores, sem envelope lacrado, com a exposição de dados pessoas, que podem ser obtidos por terceiros. “Com o nome e o CPF, qualquer criminoso pode fazer uma identidade falsa e parcelar compras em lojas com sistemas menos rigorosos”, descreveu.

A matéria segue para as comissões da Assembleia, para depois ser votada em plenário pelos deputados estaduais. Se for aprovada, ainda passa pelo crivo do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Fatura da conta de energia de consumidores de MS (Foto: Arquivo)

O projeto apresentado na Assembleia proíbe as concessionárias de divulgar o número de CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) dos consumidores nas tarifas de água, luz e esgoto. A intenção é evitar que estes dados pessoais sejam utilizados para realização de golpes e fraudes.

"O conhecimento dos dados pessoais dos consumidores, um prato cheio para a ocorrência de fraudes. É possível contratar serviços e também fazer crediários no nome da vítima, que só vai descobrir o golpe quando estiver com o nome sujo”, justifica o autor do projeto, o deputado Marçal Filho (PSDB).

A proposta destaca que esta proibição é sobre as faturas vem são enviadas “abertas” para os consumidores, sem envelope lacrado, com a exposição de dados pessoas, que podem ser obtidos por terceiros. “Com o nome e o CPF, qualquer criminoso pode fazer uma identidade falsa e parcelar compras em lojas com sistemas menos rigorosos”, descreveu.

A matéria segue para as comissões da Assembleia, para depois ser votada em plenário pelos deputados estaduais. Se for aprovada, ainda passa pelo crivo do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).