"Mais escassa" no mercado ilegal, cocaína teve alta de preço neste ano Levantamentos apontam que o quilo da droga passou de R$ 20 mil para R$ 25 mil neste ano - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

domingo, 25 de outubro de 2020

"Mais escassa" no mercado ilegal, cocaína teve alta de preço neste ano Levantamentos apontam que o quilo da droga passou de R$ 20 mil para R$ 25 mil neste ano

 Levantamentos baseados em investigações da Polícia Civil apontam que o ano de 2020 está tão atípico, que provocou inflação até para a cocaína, mesmo sem aumento no volume de apreensão. Análises do departamento de inteligência da Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico) indicam que o preço do quilo da droga, que  antes custava cerca de R$ 20 mil, foi reajustado em pelo menos R$ 5 mil, este ano. É uma alta de 25%.


Percebemos que o valor da comercialização da droga aumentou. Investigações apontam que a cocaína está mais escassa, em Campo Grande, e mais cara. Antes o quilo era vendido a R$ 20 mil e agora a R$ 25 mil”, aponta o delegado Hoffman D'Ávila Cândido e Sousa, da Denar.


Ainda segundo o delegado, o quilo da pasta-base também ficou mais caro. Antes custava aproximadamente R$ 18 mil. Agora, está sendo comercializado a R$ 22 mil.


Para o delegado titular da Denar, Gustavo Ferraris, o aumento do preço pode estar associado ao maior número de prisões de traficantes. “O aumento do preço está ligado a oferta e procura, grandes fornecedores têm sido presos. A Denar está trabalhando para combater isso, recebe denúncias e faz investigações para combater o tráfico”, pontua.


Investigações como a que, nesta semana, fechou laboratório artesanal de refino de cocaína, na Capital. A produção era feita em local onde lava-jato servia de fachada para esconder a prática irregular. O dono do negócio, um homem de 33 anos, foi preso na quarta-feira (21) quando saia de casa com droga escondida na cueca.  De acordo com informações do delegado Hoffman, responsável pelo caso, o suspeito era monitorado pela Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico) há cerca de uma semana, mas outras investigações têm durado até mais de um mês.


Ainda sobre o caso citado, D'Avila afirma que o responsável pelo laboratório adquiria a droga fora da Capital, em Miranda, a 201 quilômetros, justamente pela falta registrada aqui.


Depois de comprada, a cocaína era refinada no depósito que mantinha e revendida para pequenos traficantes de diversos bairros da cidade. Após o refino feito, o autor dobrava a quantidade de droga que adquirida.