Polícia de MS pedirá retirada de anúncios que levam ao golpe do boleto falso Golpistas usam links falsos de bancos e financeiras para enganar clientes que buscam 2ª via de boletos - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Polícia de MS pedirá retirada de anúncios que levam ao golpe do boleto falso Golpistas usam links falsos de bancos e financeiras para enganar clientes que buscam 2ª via de boletos


 A Polícia Civil de Campo Grande irá enviar ofício ao Google para pedir retirada de anúncios identificados como sendo de estelionatários que aplicam o golpe do boleto falso. Também deve pedir apoio à polícia em São Paulo para identificar os criminosos.


O golpe é aplicado quando a pessoa, que já contraiu empréstimo, entra na internet para acessar o banco ou a financeira para emitir segunda via de boleto. Porém, os primeiros links podem ser dos golpistas, que direcionam a vítima para página falsa ou por WhatsApp, emitindo documento falso.


De janeiro a outubro deste ano, o golpe do boleto falso fez cerca de 300 vítimas em Mato Grosso do Sul, 87 somente em Campo Grande, conforme dados da Polícia Civil. Na capital, os inquéritos seguem em andamento, a maioria, por conta da dificuldade em identificar os estelionatários, já que o golpe é aplicado via Internet ou telefone.


No rastreamento, segundo o delegado titular da 6ªDP, Jeferson Rosa Dias, foram identificados golpistas que utilizaram telefones com DDD 11 (São Paulo), 31 (Minas Gerais) e 51 (Rio Grande do Sul).


 Inicialmente, será pedido apoio à Polícia Civil de São Paulo para identificar os golpistas, além do ofício para retirada dos anúncios.


O delegado explica que os golpistas postam links de falsas financeiras, normalmente, os primeiros a aparecem em busca pelo Google. Quem não estiver atento às informações, clica na página e entra em contato via WhatsApp com estelionatários, que fazem a negociação da 2ª via e emitem o falso boleto.


Dias explica que as pessoas precisam ficar atenta às informações desses links. “Financeiras e bancos não entram em contato por WhatsApp”, disse. Em Campo Grande, são 56 ocorrências envolvendo o Banco BV e mais 31 casos com dados do Banco Pan, instituições que tiveram seus nomes usados indevidamente pelos golpistas.


O delegado também alerta para facilidades oferecidas e que estão fora de qualquer lógica.


É preciso desconfiar de descontos absurdos; se sua dívida é de R$ 10 mil e o seu boleto ser de R$ 5 mil, sem você ter pedido renegociação”.


As informações do boleto também podem ser indicativo de golpe. Um exemplo, segundo delegado, é o cabeçalho da cobrança ter o nome da empresa e, no teor do documento, constar CPF de pessoa física como receptor do pagamento.