Operação contra facção gaúcha busca traficantes na fronteira de MS - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Operação contra facção gaúcha busca traficantes na fronteira de MS -

 Três mandados de busca e de prisão estão sendo cumpridos pela Polícia Federal nesta quinta-feira (10) em Ponta Porã, cidade a 323 km de Campo Grande, na fronteira com o Paraguai. As ações fazem parte da Operação Teiniaguá, deflagrada pela PF no Rio Grande do Sul para desarticular organização criminosa que enviava cocaína do Paraguai através da fronteira com Mato Grosso do Sul.


Segundo a PF, além de cocaína, a quadrilha integrada pelos moradores de Ponta Porã também fornece armas para uma facção estabelecida na região da Serra Gaúcha.


Em seis meses de investigação, a PF descobriu que a quadrilha enviou pelo menos 1,5 tonelada de cocaína do Paraguai. O país vizinho não produz a droga, mas as quadrilhas trazem a cocaína da Bolívia, do Peru e da Colômbia.


São 180 policiais mobilizados para cumprir 118 mandados em Ponta Porã e outras nove cidades do Rio Grande do Sul – Caxias do Sul, Farroupilha, Bento Gonçalves, Sapiranga, Campo Bom, Parobé, Taquara, Lajeado e Charqueadas. O objetivo é prender e isolar os líderes da organização e provocar descapitalização patrimonial do grupo.


Entre as ordens judiciais decretadas há 22 mandados de prisão preventiva e 28 mandados de busca e apreensão. Há também 11 sequestros judiciais de veículos e imóveis pertencentes aos investigados.


A Justiça Federal determinou ainda o bloqueio de pelo menos 57 contas bancárias de pessoas físicas e jurídicas, usadas para movimentar dinheiro da venda de droga. Foi através dessas contas que a organização enviou R$ 25 milhões ao exterior, para pagar narcotraficantes instalados no Paraguai.


Entre os alvos dos mandados de prisão, três são considerados importantes lideranças da organização criminosa que atua nos presídios gaúchos. Segundo o jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, um dos líderes tinha conseguido prisão domiciliar há dez dias depois de passar 11 anos na cadeia. A PF não informou o nome da facção. -