Paraguai segue Brasil e enfrenta colapso com fila por vaga em UTI - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

Paraguai segue Brasil e enfrenta colapso com fila por vaga em UTI -

 Considerado bom exemplo no enfrentamento ao novo coronavírus quando a pandemia começou, em março, o Paraguai segue os passos do vizinho Brasil na chamada segunda onda da covid-19. Já faltam vagas na terapia intensiva e há fila de espera até mesmo por leitos de enfermaria, confirmou nesta quarta-feira (9) o ministro da Saúde do Paraguai Julio Mazzoleni.


No 274º dia da pandemia, o Paraguai tem 89.421 pessoas já infectadas pelo coronavírus, dos quais 63.243 estão recuperados, e 1.887 mortes.


Com quase sete milhões de habitantes, o Paraguai tem menos infectados e menos mortes que Mato Grosso do Sul, mas o frágil sistema de saúde daquele país sempre foi motivo de muita preocupação.


“Estamos entrando na etapa mais difícil da pandemia”, afirmou Julio Mazzoleni logo após se reunir com o diretor de um dos principais hospitais da capital Asunción. Segundo o ministro, o colapso na ocupação dos leitos também é grave na região metropolitana da capital e em outras cidades do Departamento (equivalente a Estado) Central.


Nos departamentos que ficam na fronteira com Mato Grosso do Sul a disseminação do vírus está em ritmo lento em comparação às regiões mais populosas, mas a deficiência do sistema de saúde é ainda maior.


Sem citar número de infectados sem conseguir vaga nos hospitais, Mazzoleni confirmou ter pessoas com covid-19 esperando para serem internadas.


“Em Asunción e Central a situação é muito complicada. Há poucas medidas de restrição, por isso o que pedimos é para as pessoas usarem máscara e cumprir as medidas sanitárias”, afirmou o ministro. Ele apontou falta de compromisso da população com as medidas de isolamento. -