Quem descumprir toque de recolher "será fichado", avisa Secretaria de Segurança - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

Quem descumprir toque de recolher "será fichado", avisa Secretaria de Segurança -

 O governo do estado alerta: "em Mato Grosso do Sul, quem quebrar o toque de recolher imposto pelo decreto estadual 15.559 pode ser autuado pelo crime de desobediência, que prevê detenção de 15 dias a seis meses, além da aplicação de multa".A explicação via assessoria de imprensa é do secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Antônio Carlos Videira. Ele lembra que o "primeiro objetivo é orientar", mas reforça que quem insistir em continuar nas ruas após às 22 horas, "será autuado e encaminhado à delegacia por crime de desobediência. Inclusive, a Polícia Civil já está com reforço para receber esses casos”. - Videira lembra que, mesmo que se livre da prisão, isso pode complicar a pessoa no futuro. "Passará a ter uma anotação de antecedente criminal, que dificulta a vida em caso de concurso público, por exemplo, ou até em processos seletivos”.

A multa prevista vale para que for pego mais de uma vez furando o toque de recolher, com valor a ser imposto pelo Poder Judiciário.

Consultado pela assessoria do governo, o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Arlei Caravina, relatou que o primeiro dia, entre a noite de segunda e a madrugada de hoje, muita gente resistiu a cumprir a regra e ficar em casa. "Alguns prefeitos relataram dificuldades na primeira noite do toque de recolher. A situação já foi repassada ao Estado. Precisamos de mais apoio nas fiscalizações", disse.

Desde segunda-feira o Estado inteiro está sob toque de recolher, como forma de conter o avanço do coronavírus. Mato Grosso do Sul tem o mais aumento no Brasil, com 157% ais infecções nos últimos 7 dias.

Apenas quem precisa trabalhar após às 22h está livre das sanções, mas se abordado pela Polícia Militar ou Guarda Civil, deve comprovar que está na rua por conta de serviços essenciais, casos de emergência médica ou urgência inadiável, como embarque no aeroporto ou rodoviária. - 



 -