Assediada, mulher reclama que não dá para andar sozinha nem às 9h Jovem de 27 anos foi abordada com palavras de baixo calão por homem em moto no bairro Caiçara; ele a abordou por duas vezes - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Assediada, mulher reclama que não dá para andar sozinha nem às 9h Jovem de 27 anos foi abordada com palavras de baixo calão por homem em moto no bairro Caiçara; ele a abordou por duas vezes

 Às 9 horas da manhã de hoje, a auxiliar docente Kimie Kobayashi, de 27 anos, foi fazer as unhas em salão de beleza a uma quadra de sua casa, no bairro Caiçara, quando foi assediada no meio da rua por desconhecido.

O medo e a indignação diante de tal fato foram tamanhos, que ela postou foto do homem em sua moto nas redes sociais e relatou o ocorrido. Disse ainda que registrou boletim de ocorrência online contra a pessoa.

Depois da publicação, mulheres entraram em contato com ela falando que o homem seria morador do bairro Oliveira III e agiria dessa forma – assediando mulheres na rua – de forma frequente e teve até a moto reconhecida por outras vítimas.

À reportagem, ela relatou que começou a tremer depois da primeira vez que o homem “falou besteiras” para ela. Segundo Kimie, antes do homem tentar abordá-la, ele ficou parado na moto dele, mexendo no celular. “Já fiquei com medo né? De assalto. Daí vi que era um senhor e continuei andando”.

A mulher conta que o homem então entrou na contramão na rua onde ela estava, a passou e voltou, já proferindo palavras de baixo calão. “Dai ele deu a volta na quadra, voltou e me falou as coisas mais uma vez”, disse, lembrando que a única reação que teve foi de fazer fotos do homem na moto.

Tremendo, ela chegou até uma loja de móveis na esquina e pediu ajuda. Contou que ligou de onde estava para o marido, enquanto o assediador a cuidava do lado de fora, debaixo de uma árvore. “Ele viu que eu estava no celular e foi embora”.

Para ela, que já passou por isso outras vezes, a promessa para si mesma é nunca mais sair sozinha na rua. Mas também ressalta nas redes sociais a necessidade de que as mulheres vítimas, denunciem. “Se aconteceu com você, denuncie!”, exclama, enfatizando que estava com “ânsia de vômito até agora”.