"Cobaias" da Coronavac em MS querem que vacina chegue logo para todos Iniciada em outubro, a aplicação em profissionais de saúde de MS foi feita em cerca de mil pessoas, com placebo ou própria vacina - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

domingo, 10 de janeiro de 2021

"Cobaias" da Coronavac em MS querem que vacina chegue logo para todos Iniciada em outubro, a aplicação em profissionais de saúde de MS foi feita em cerca de mil pessoas, com placebo ou própria vacina

 Para quem fez parte dos testes da Coronavac em Mato Grosso do Sul, o desejo é que a vacina chegue o mais depressa possível à toda população. Iniciada em outubro, a aplicação das doses em profissionais de saúde de MS foi feita em cerca de mil pessoas. Algumas receberam a vacina em si, outras, um placebo.

Entre elas está o médico oncologista João Paulo Vendas Villalba, que tomou as duas doses em novembro e em dezembro, testou positivo para covid-19. Ele afirma que teve sintomas leves, com coriza, dores de cabeça e no corpo, além de um pouco de cansaço. “Dá uma sensação de segurança, porque pelo menos tenho uma chance de evitar a forma grave da doença”, comenta sobre a possibilidade de estar imunizado. Ele ainda não recebeu retorno sobre se a dose recebida por ele foi o placebo ou a vacina.

No entanto, avalia que o encaminhamento da pesquisa foi adequado e como pesquisador em outra área, avalia que foi bem conduzida. “O protocolo de pesquisa foi seguido e foi bem feita, bem desenhada e conduzida. Participo com frequência de pesquisas e não tenho nenhuma preocupação”, disse.

“Participei para poder embasar a pesquisa com recurso humano e agora sabemos que o medicamento se mostrou seguro. Com certeza, quanto mais gente começar a tomar a vacina, quanto mais pessoas forem imunizadas, maior será a segurança para todos”, afirma.

Ténica de enfermagem, Roseli Aparecida de Carvalho, 48, se sente orgulhosa de poder fazer parte dos primeiros passos de um imunizante contra a covid-19. Ela ressalta que desejou participar depois de receber indicação do hospital onde trabalha.  “Adoraria se eu tivesse mesmo recebido a imunização, que não fosse o placebo, estou na expectativa, até porque e uma vacina que comprovou 78% de eficácia e se eu pegar, não vai ser grave. E também tenho filha, família, espero que a vacina seja boa não apenas pra mim, mas pra toda população e que comece logo essa vacinação e acabe logo com isso”, sustenta.

Ela teve diagnóstico positivo de covid-19 em julho deste ano, quando perdeu o paladar e o olfato. Em outubro, teve todos os sintomas, ainda mais graves, mas os resultados dos testes deram negativo para covid. Mesmo assim, seguiu o protocolo. “Fiquei inclusive com síndrome pós-covid, que é um cansaço constante”, diz.

“Tivemos um ano muito ruim em 2020. Não sabíamos mais o que poderia acontecer no dia a dia. Mas a esperança é que a imunização está chegando e 2021 será um ano de vitória para todos”, torce.