Com atraso de salário, profissionais param na Santa Casa - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Com atraso de salário, profissionais param na Santa Casa -

 Em protesto ao atraso nos salários, cerca de 150 profissionais da saúde paralisaram as atividades hoje, na Santa Casa de Campo Grande. Alguns alegam, ainda, que o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) não está sendo depositado desde 2018.

A paralisação foi definida após assembleia esta manhã, envolvendo psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, biomédicos, técnicos em laboratório e farmacêuticos. Depois, o grupo se mobilizou no saguão do hospital, onde cerca de 50 pessoas permanecem. -O presidente do Sintesaúde-MS (Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de MS), Osmar Gussi, disse que a paralisação foi decisão unânime, em decorrência do atraso no pagamento do salário de dezembro, que deveria ter ocorrido até o 5º dia útil de janeiro. -Segundo Gussi, cerca de 150 profissionais aderiram ao protesto de paralisação, sendo mantidos apenas o efetivo de 30%, obrigatório por lei. “O presidente [Heitor Rodrigues Freire] passou aqui e disse que ia pagar ainda hoje, que está trabalhando intensamente em busca de recurso”, disse, acrescentando que os profissionais somente vão voltar ao trabalho após o pagamento.


Uma profissional da área de nutrição, que não quis se identificar, diz que também está com o FGTS está atrasado desde 2018. “A gente tem conta para pagar, tem que pegar dinheiro emprestado, isso não existe; viemos todos os dias aqui, nessa pandemia que estamos vivendo e nem nosso salário a gente recebe”.


Outra trabalhadora fala que todos estão exaustos por conta da pandemia. “Não recebemos extra, nem pagamento pelos feriados que a gente trabalha”. Ela reclama, também, da falta de diálogo. “Não deram nota oficial para dar posicionamento, simplesmente omitem e falam que não tem dinheiro, não temos aumento, salário é o básico, o mínimo que deveriam pagar”.


A reportagem entrou em contato com assessoria da Santa Casa e a informação é que o hospital não foi oficializado da assembleia que ocorreu esta manhã e somente poderão se posicionar depois desse procedimento. Porém, adiantou que ainda não recebeu o repasse contratual com a prefeitura. A instituição ressalta, porém, que a paralisação não poderia ser realizada antes de indicativo de greve.


A reportagem também entrou em contato com a prefeitura sobre o alegado repasse e aguarda retorno.