Possessivo e frio, Hércules matou ex-namorada ao descobrir novo relacionamento - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Possessivo e frio, Hércules matou ex-namorada ao descobrir novo relacionamento -

 "Só vou me manifestar em juízo". Foram essas as palavras de Hércules Alves de Souza, de 21 anos, preso nessa segunda-feira (22), por matar a tiros a ex-namorada Yasmin Beatriz Almeida Guedes, de 18 anos, em setembro do ano passado no Bairro Jardim Colibri, em Campo Grande. Para a Polícia, não há dúvidas de que ele planejou a morte da jovem depois de descobrir que ela tinha um novo relacionamento. Os dois marcaram de se encontrar e a caminho do local combinado, ele disparou oito tiros nela.


Hércules estava foragido desde o dia 29 de setembro, além do mandado de prisão em aberto pelo feminicídio, ele também tinha por roubo, porque havia saído num indulto e não tinha voltado ao presídio.


Na manhã desta terça-feira (23), a titular do caso da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) Anne Karine Trevisan disse que Hércules não prestou informações, mas nega que tenha matado Yasmim. - "Mas para a Polícia, não há dúvida nenhuma. Testemunhas que o viram antes do crime dizem que ele ligou para marcar um encontro e no caminho de onde estavam indo matou ela com oito tiros", explicou a delegada. O relacionamento dos dois começou na adolescência e era conturbado. A jovem morava com a ex-sogra mesmo depois do término e já tinha começado outro namoro. No tempo em que estava preso por roubo, Yasmim nunca o visitou e ele até teria tido outro relacionamento e se casado por quatro meses.


"No indulto que ele teve, saiu do presídio e chegou a agredi-la fisicamente. Ele não aceitava que ela tivesse relacionamento com outra pessoa, para ele foi traição", conta a delegada.


Sem dar detalhes de onde ficou escondido ao longo de quase cinco meses, Hércules que foi preso depois de uma denúncia anônima de que ele estava próximo à Unei Los Angeles circulando em um Gol vermelho. Ele chegou a dizer que estava na casa de uma tia, o que não é confirmado pela polícia.


"Não é verdade, porque já tínhamos feito diligências na casa dessa tia. Temos indícios de que ele tinha ido para o Paraguai, mas ele negou", completa a delegada. -