AMPLA VISÃO| ‘Lavanderias & Mutretas: Quem paga a conta? - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sábado, 12 de junho de 2021

AMPLA VISÃO| ‘Lavanderias & Mutretas: Quem paga a conta?

‘CONSELHEIRO’: O ex-presidente dos ‘USA’ George Washington dispensava o pronome de tratamento ‘excelência’ e preferia o ‘senhor’. Ego raro. Os pronomes usados na vida pública traduzem respeito ao titular do cargo e as suas funções. No dicionário, o termo conselheiro – por exemplo - é sinônimo de guia, mestre, guru mentor, orientador, conciliador.

‘PEIXE GRANDE’: Abrigado no Tribunal de Contas, o ex-chefe da Casa Civil na gestão de André Puccinelli (MDB), o conselheiro Osmar Jerônimo, é fisgado em águas turvas pela Polícia Federal - junto com o ex-deputado Edson Giroto e o empresário João Amorim, suspeitos em mutretas. As investigações podem respingar politicamente no ex-governador Puccinelli (MDB) padrinho de sua indicação ao TCE.

‘LAVA TUDO’: A mídia mostrando as revelações da Polícia Federal envolvendo figuras públicas. Denuncia o festival de ‘abre e fecha’ de empresas para lavar dinheiro. Chama a atenção também o fato da concessionária do pedágio na ponte sobre o rio Paraguai na BR-162, pertencer a ‘amigos’ do conselheiro Osmar Jerônimo e do ex-governador Puccinelli.

‘OLHO CRÍTICO’: É sabia a leitura da opinião pública sobre personagens e fatos do cotidiano. A sensibilidade é tal que suas conclusões se antecipam ao veredito judicial e permanecem como estigma na memória popular. Impressiona esse faro intuitivo para detectar indícios, apontar autores e os objetivos ilícitos. O povo sabe quem é quem.

OPINIÃO: A pandemia revela mais solidariedade do que egoísmo. Atitudes e gestos de insensíveis são menores dos que mostram desprendimento e altruísmo. O que vemos nos colaboradores dos hospitais em situação de risco é muito maior do que os exemplos de quem fura a fila e falsifica documentos para obter a vacina.

NO RADAR: Pessoas influentes de todas as cidades, esportistas, autoridades e artistas alvos do olhar especial da opinião pública e da mídia. Os cidadãos de bem indignados com notícias de festas e eventos aglomerando pessoas. É tiro no pé que atinge a família, amigos e a comunidade com a propagação do vírus. Quanta insanidade meu Deus!

DEPUTADOS & AÇÕES: Paulo Corrêa (PSDB); titular do comitê que definirá a nova Lei do Gás no MS; concilia a presidência das sessões com atos oficiais fora da Casa. Zé Teixeira (DEM): lamentando a seca que atinge o Pantanal e o granizo que danificou 7,5 hectares de milho no Estado. Amarildo Cruz (PT); organiza sua equipe e a agenda de atuação. Lucas de Lima (SOL); recebendo apoio de pais e da comunidade pelo seu projeto que prevê o fim das limitações oferecidos pelos planos de saúde no atendimento aos portadores de autismo. Pedro Kemp (PT) quer freio nos transportes coletivo e intermunicipal contra o Covid; pede reforma da Escola Villa Lobos no bairro Parati .

‘COSTUREIRO’: ‘Cap’ do PSD o ex-ministro Gilberto Kassab articula olhando 2022. Como bom árabe transita na esquerda/centro/direita e deve atrair nomes de peso como o ex-governador Alckmin, prefeito Eduardo Paes (RJ) e outros. Ele pode até ser decisivo no atual cenário - pois tem peso considerável como articulador. Anote esse nome.

CALÇA APERTADA: Graves os deslizes do governador João Dória (PSDB) (homem da mídia) prejudicando sua imagem e atuação contra o Covid. Sua idas a Miami e ao Rio de Janeiro são casos emblemáticos. Aliás, quem vai ao Estado de São Paulo volta convencido de que a trajetória dele está por um fio. Não agrega e de política só tem teoria.

INCONCEBÍVEL: O consumidor indignado com a novela onde a Energisa luta para impedir a remessa de 200 relógios para aferição na Universidade de São Carlos (SP). Estranho! Espera-se que a Justiça, em sua decisão neste dia 16, seja sensível, não decepcione a população. Se o Judiciário nos abandonar - quem irá nos salvar? O Chapolim Colorado?

PENSANDO BEM... De um lado uma situação pandêmica gravíssima matando sem dó. De outro a Justiça Eleitoral que optou pela realização de eleições em Sidrolândia neste dia 13. Há vários fatores divergentes. Eleição municipal é aguerrida. É difícil evitar aglomerações e o saldo da ‘festa democrática’ poderá ser macabro. Depois, não adianta chorar!

AÇÕES & DEPUTADOS: Capitão Contar (PSL); cobra do Estado pacote de isenção fiscal aos empresários atingidos pelo Covid. Barbosinha (DEM): denuncia a falta de estrutura na saúde de Dourados; quer a criação de setor da pericia animal no combate aos maus tratos. Evander Vendramini (PP); Pede a adesão de MS ao sistema Redesin, facilitando abertura e acompanhamento das atividades das empresas através da internet. Gerson Claro (PP): Presente ao lançamento das obras que reivindicou na região de Sidrolândia; presidiu reunião da Comissão de C. e Justiça. Lídio Lopes (Patri): sua emenda equipou a sala de informática da Escola Osório Sales em Sonora; cerca de 60% dos R$6 milhões de suas emendas são destinadas à saúde.

‘ZUM ZUM’: A clausura do vice-governador Murilo Zauith (DEM) inspira previsões. Ele nem assumiria o Governo se Reinaldo Azambuja disputar as eleições; o deputado Paulo Corrêa (PSDB) assumiria. O silêncio de Murilo preocupa as lideranças do DEM que minimizam a situação. Mas a ministra Tereza Cristina (DEM) afivela a malas possivelmente rumo ao PP.

BRASÍLIA: Por tudo que ocorre nos seus corredores e gabinetes dos prédios públicos suntuosos, é a cidade ‘mais distante’ do resto do Brasil. Lá se vive outra realidade, uma ilha de prosperidade graças aos holerites que contemplam parte da população, fazendo dela a cidade com a maior renda per capita. Brasília, cada vez mais longe do país!

OBRAS & OBRAS: Não há uma só região que não tenha ou esteja recebendo obras do Governo Estadual impactando positivamente na vida das pessoas. Rodovias abertas, outras pavimentadas, pontes e tantas outras obras. Um ambiente para investimentos. A transformação que Ribas do Rio Pardo vivencia, por exemplo, não é obra do acaso. O Governo continuará fazendo sua parte com obras de infraestrutura, inclusive asfaltando a rodovia que ligará Ribas à Camapuã. O deputado Paulo Corrêa tem razão ao dizer que ‘estamos vivendo uma revolução no centro oeste”.

DEPUTADOS & AÇÕES: Neno Razuk (PTB); requer aumento do efetivo policial de Bodoquena; rapidez da Agraer na liberação de recursos aos indígenas; homenagear pioneira (Dona Zica) com nome do Museu Arqueológico de Piraputanga. Antônio Vaz (Rep); a receptividade das ações de ‘Gabinete Itinerante’ foi boa; pede melhorias para o Distrito de Rochedinho. Mara Caseiro (PSDB): pediu ao Governo reforma da escola estadual de Rochedo; a ajuda do Governo para evento gastronômico on line em Naviraí e a recuperação asfáltica da BR-487. Marçal Filho (PSDB): propõe a readequação das delegacias com policiais femininas para atender as mulheres vítimas de abusos em espaços adequados para evitar constrangimentos.

DA SELVA: Novo capítulo da novela ‘Brasil x Argentina’ com a declaração do presidente Albierto Fernandes de que os brasileiros vieram da selva e os argentinos de barco da Europa. Nossos intelectuais e políticos vão contestar ou deixarão para nossos ‘patriotas’ jogadores na Copa América? Assim Albierto Fernandes justifica a frase famosa num muro de Buenos Aires: “Basta da realidade. Queremos promessas”!

A PROPÓSITO: Dizem que o suicídio habitual do argentino é saltar de cabeça do alto de seu ego. E circula na ‘selva’ essa historinha. Um psiquiatra liga para um colega: “Você precisa vir correndo aqui em meu consultório – estou atendendo um argentino”. O outro pondera: “Cara, eu também atendo muitos pacientes argentinos.” E a resposta: “Mas com complexo de inferioridade”?

‘LOS HERMANOS’: Tudo bem, a Argentina tem 5 ganhadores do Prêmio Nobel e nós nenhum. A compensação vem nos títulos mundiais do futebol. Mas o Brasil é o país que eles odeiam amar - teimando em viver do passado. Amam seus mortos e seus governantes esquecem-se de cuidar de quem está do lado de fora dos cemitérios.

RUBEM ALVES: “Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar. Ninguém quer aprender a ouvir. Pensei em oferecer um curso de escutatória. Mas acho que ninguém vai se matricular. Escutar é complicado e sutil...” (trecho do texto ‘ A Escutatória’)