Estudando só até 2ª série, Name diz que começou império anotando bicho e pif-paf - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

terça-feira, 15 de junho de 2021

Estudando só até 2ª série, Name diz que começou império anotando bicho e pif-paf -

 Atualmente internado com quadro grave de covid, Jamil Name, 82 anos, passou por exame de sanidade mental no mês passado na Penitenciária Federal de Mossoró, onde acabou revelando a trajetória "de sucesso" a partir do jogo do bicho. Disse ter R$ 41 bilhões de precatórios a receber e que não pretende ser declarado “louco” para sair da cadeia.Jamil Name contou ter estudado até a 2ª série e que deixou São Paulo em 1958. Depois, se estabeleceu em Campo Grande, onde, para ganhar dinheiro, fez parceria para anotar jogo do bicho e pife-pafe (jogo de cartas).


Depois, passou a fazer as anotações sozinho. O pagamento vinha em dinheiro e sacas de sojas. Na sequência, abriu imobiliária, com loteamentos de condomínios por Campo Grande e transações de terras em outros Estados.


Também informou investimento em usina eólica e ser dono de uma mina de ametista, muito produtiva e “que acredita ter produzido um bilhão de reais”.  Aos peritos, Jamil Name declarou não querer ser “interditado como doente mental só para sair da cadeia” e que vai provar sua inocência sobre as acusações de liderar quadrilha de extermínio e tráfico de armas.


Sobre o episódio da suposta oferta de propina de R$ 600 milhões a membro do Poder Judiciário, feita durante audiência, relatou se tratar de mal-entendido. - Pois estaria solicitando para que o juiz pudesse fazer contato com o Ministro do Superior Tribunal sobre os precatórios que possui no valor de R$ 41 bilhões, valor este muito superior aos 100 ou 600 milhões que foram falados”. No entanto, calcula que o valor final dos precatórios (dívida do poder público reconhecida pela Justiça) seja de R$ 6 bilhões, descontados deságio e impostos.


O laudo, datado de 22 de maio e anexado na última sexta-feira (dia 11) a processo, narra que o exame durou seis horas (das 8h às 14h) e que Name sabia onde estava, que dia era e o motivo da sua prisão na operação Omertá. -