“Tchau Sonora”: postou suspeito em perfil de namorada para esconder assassinato - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 4 de agosto de 2021

“Tchau Sonora”: postou suspeito em perfil de namorada para esconder assassinato -

Para despistar familiares e até a polícia, Pablo Santrin, de 39 anos, suspeito de matar e enterrar o corpo da namorada nos fundos de casa, confessou ter se passado pela vítima em conversas de celular e também nas redes sociais. Inclusive, mensagem publicada no perfil de Laís de Jesus Cruz, de 29 anos, no Instagram, simulavam despedida da cidade onde o crime aconteceu, a 364 quilômetros da Capital. “Tchau Sonora. Aqui não volto nunca mais”, diz mensagem compartilhada, há 23 horas, na rede social. O “recado” foi publicado um dia após a morte de Laís. Conforme o delegado Murilo Jorge Vaz Silva, a relação entre autor e vítima já dura anos, porém, conforme relatos de familiares, o relacionamento estava gasto. “Eles têm um filho, de dois anos, mas a convivência era desarmoniosa. Na segunda, tiveram discussão envolvendo uma ex-namorada e ele fala que foi até a sala, depois, quando abriu a porta do quarto, ela já estava morta”, revela a autoridade policial ao ressaltar que o suspeito nega ter matado a namorada, porém, confessa a ocultação de cadáver. - Depois de morta, o corpo de Laís foi enterrado pelo companheiro nos fundos da residência onde o casal morava. A situação foi descoberta após equipe policial desconfiar das atitudes do suspeito, que é dono de academia na cidade, e também de características na casa. “Quando chegamos na casa, hoje, a intenção era apenas conversar com ele, saber do paradeiro dela. Mas ele começou a demonstrar nervosismo, não conseguia ficar em pé, bebia muita água, foi quando pedimos para olhar a casa e ele deixou. Em um dos quartos, o cheiro de água sanitária era forte. Além disso, no fundo percebemos a terra ‘fofa’. Começaram a cavar, ele ainda falou que não era para fazer isso, mas acabou confessando que enterrou o corpo”, explica o delegado. O corpo foi jogado em buraco com aproximadamente dois metros de profundidade. Durante todo o momento, Pablo não apresentava reação de arrependimento. “Não esboçava reação, comportamento normal, não teve choro”, conta Murilo Jorge. Apesar de negar a morte, à polícia, o suspeito confessou ter agredido a vítima em outras situações e alegou ter enterrado o corpo por medo da família de Laís não acreditar em possível suicídio. Perícia e equipes policiais estão no local onde o corpo foi encontrado e aguardam a chegada da funerária para desenterrá-lo totalmente.