Jamilzinho "cai atirando" e garante que ajudou delegado a calar testemunha - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Jamilzinho "cai atirando" e garante que ajudou delegado a calar testemunha -

Em novas audiências da operação Omertà, Jamil Name Filho usou o pouco tempo de fala diante do juiz da 1ª Vara Criminal de Campo Grande para acusar policiais e rebater acusações de que a família liderou a "maior e mais antiga" organização criminosa do Estado. Ele "caiu atirando". Revelou ter ajudado o delegado aposentado Marcelo Vargas a “omitir” sua participação em esquemas de jogatina e assim, chegar ao cargo de delegado-geral da Polícia Civil e Mato Grosso do Sul. - O discurso ao juiz Roberto Ferreira Filho, responsável por onze processos envolvendo os investigados pela Omertà, começou com um pedido de desculpas pelo tom usado em audiências passadas, mas sem se prolongar muito, entrou no ponto do qual se tratava a audiência: as supostas ameaças de atentado ao delegado do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros), Fábio Peró. Contando nos dedos, Jamilzinho afirma que já foram denunciados quatro supostos atentados ao delegado e para rebater as acusações que julga terem sido feitas por Peró, passou a narrar uma relação íntima entre a família Name e integrantes da segurança pública de Mato Grosso do Sul. Jamil cita vários nomes que estiveram em cargos de chefia dentro da polícia aos longos dos anos no Estado até chegar ao que ele diz ser “novidade”: uma visita do delegado Marcelo Vargas a sua casa. “O doutor Renê Siufi com o diretor-geral, até então só delegado Marcelo Vargas, foram até a minha casa, lá no fundo, onde meu pai fica sentado, para falar com o tal Xavier”, diz sobre Paulo Xavier que, na época, trabalhava para a família, e anos depois, teve o filho executado pelo bando em atentado que era para ele. Na versão de Jamilzinho, o pai explicou que o capitão Paulo Roberto Xavier era contratado pelo filho e, por isso, era com ele que o advogado deveria falar. Foi o que aconteceu. Recebeu o defensor e o delegado e logo foi surpreendido pelo pedido de ajuda. “Tô aqui com o Marcelo, vai ter uma audiência aí no Gaeco da operação Las Vegas e esse rapaz que está aí trabalhando para você, o Paulo Xavier, vai depor e vai acabar com a vida do Marcelo e o Marcelo não vai poder assumir a diretoria-geral. Você tem como fazer ele não falar o nome do Marcelo?”, teria falado Siufi, segundo Jamilzinho. Em 2009, a operação Las Vegas levou 19 pessoas para a prisão por envolvimento com caça-níqueis e outros jogos de azar em Campo Grande e Corumbá, entre elas, o próprio Paulo Xavier. Anos depois, o nome de Marcelo Vargas apareceu em denúncia como “facilitador” do esquema de máquinas em Mato Grosso do Sul após a prisão de Clayton Batista, em São Paulo.