AMPLA VISÃO| Marquinhos: protagonista nas eleições em 2022 - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sábado, 30 de outubro de 2021

AMPLA VISÃO| Marquinhos: protagonista nas eleições em 2022

PALANQUE! As conversas de bastidores vão se confirmando. Com o ingresso do senador Rodrigo França no PSD, o partido ganha musculatura em nível nacional para bancar a candidatura do presidente do Senado à presidência da República. Com isso o PSD anuncia candidatos em vários Estados, inclusive aqui com o atual prefeito Marquinhos Trad. MAIS UM! Marquinhos é assim o mais novo protagonista do palanque sucessório, somando-se ao Secretário Eduardo Riedel (PSDB), ex-governador Puccinelli (MDB) e outros nomes que frequentam o círculo do poder. Entre eles um representante do PT, do ‘União Brasil’, e a deputada Rose Modesto - que ensaia a troca do PSDB pelo Podemos. TRAJETÓRIA: Em 2004 Marquinhos se elegeu vereador da capital pelo MDB com 11.045 votos; em 2016 eleito deputado estadual com 35.777 votos; reeleito em 2010 com 56.827 votos e em 2014 com 47.015 votos. Nas duas últimas eleições foi o campeão de votos. Em 2016 foi eleito prefeito da capital pelo PSD e reeleito em 2020. CORAGEM: Em 2015, indignado com o boicote dentro da bancada do MDB que seguiu a orientação de Puccinelli – preterindo seu nome ( em favor de Maurício Picarelli) para a Comissão de Constituição Justiça e Redação, Marquinhos deixou o seu partido (por 18 anos). Sua atitude ascendeu o alerta no MDB que não contava com essa reação radical. NOVA FASE: Fora do MDB Marquinhos abraçou o PSD, estruturou a sigla e viabilizou sua candidatura a prefeito de Campo Grande em 2016, derrotando Rose Modesto do PSDB. Em 2020 foi reeleito com 52,58% dos votos no 1º turno. Estava portanto consolidada sua liderança na capital, reduto decisivo em todas as eleições ao governo estadual desde a criação do MS. SENÕES: Qual será a reação do eleitor de Campo Grande face a necessária renúncia do cargo de prefeito para concorrer ao Governo? Já existe pesquisa neste sentido? Hoje Marquinhos tem uma excelente aprovação da comunidade, mas até o dia 2 de abril de 2022 (prazo final da desincompatibilização) pode até haver alterações no cenário. DEPUTADOS & AÇÕES: Paulo Corrêa:(PSDB): enalteceu o Programa MS Alfabetiza das novas diretrizes; sua indicação beneficiará 5 mil pessoas com CNH grátis; quer votar neste ano o novo marco legal do gás natural; cobra telefonia para Piraputanga. Zé Teixeira (DEM): em debate lembrou o clima de paz no campo com fim das invasões rurais; autor do projeto declarando de Utilidade Pública a Rede Feminina de Combate ao Câncer de Fatima do Sul. Lucas de Lima (Sol): aprovado seu projeto inovador ‘Educação em Direito Animal nas Escolas’; pela conscientização do meio ambiente tem projeto declarando ‘Julho sem Plástico’. Evander Vendramini (PP): pede vagas para perito odontolegista em concurso da Polícia Civil; atento a vacinação anti-Covid na região pantaneira. Marçal Filho (PSDB): sancionada sua lei que dispõe sobre o parto cesárea e o acesso ao uso de analgesia no parto normal; sua lei combatendo a violência contra a mulher nos condomínios tendo aceitação excelente junto a opinião pública. O CAMINHO: Calma e juízo. Binômio que rege a postura das lideranças locais do PSB ( Ricardo Ayache e o vereador Carlos Borges (Carlão). A recente visita deles ao presidente nacional da sigla Carlos Siqueira mostrou isso. Embora o PSB esteja na federação de partidos sonhada por Lula, Carlão é parceiro de primeira hora do prefeito Marquinhos. E agora? PROCEDE: A nova Lei da Improbidade Administrativa enxergando com outros olhos os gestores públicos que erram sem dolo. No interior as prefeituras nem sempre contam com técnicos qualificados para conduzir procedimentos e processos como exigem as leis e regulamento complicados, as vezes incompatíveis com a realidade local. EXEMPLO: É comum os órgãos fiscalizadores detectarem falhas nas licitações de prefeituras. Às vezes a exigência burocrática, sem influência no mérito do caso não é observada - e mesmo assim a licitação é anulada e o gestor penalizado. Aí o município fica sem o esperado benefício oriundo da licitação - e a comunidade acaba prejudicada. É justo isso? DOLO: No Cível e no Crime, é levado em conta a intenção do acusado de cometer o ato ilícito. Mas até aqui na administração pública, a ausência da má fé (malícia) era ignorada como atenuante ou excludente. Visão radical condenando gestores despreparados, sem orientação técnica adequada. Agora, a nova lei introduz o equilíbrio no julgamento focando o dolo. PARLAMENTARES EM AÇÃO: Mara Caseiro (PSDB): presidiu sessão solene em homenagem aos dentistas: pede placas na BR 427 para promover o turismo em Rio Verde; quer o repovoamento de peixes no rio Paraná através do Imasul. Lídio Lopes (Patri): concilia as visitas as capitais do norte do país divulgando a Conferencia da Unale em Campo Grande com as sessões virtuais. Capitão Contar (PSL); Lembra sua trajetória coerente com suas propostas de campanha: atento, combateu a corrupção nestes mil dias de mandato exemplar. Antônio Vaz (Rep): aprovado projeto de proteção e prevenção aos crimes de estelionato e afins e a proposta para tornar as premiações esportivas oficiais igualitárias sem distinção de sexo. ‘IMAGENS’: Em 2002 Pedro Pedrossian tinha 74 anos e um dos ouros concorrentes ao Senado Delcídio do Amaral, apenas 47. A comparação das idades deles ajudou a derrotar Pedrossian. A propósito: em 2022 André Puccinelli (MDB) terá também 74 anos. A exemplo de Pedrossian (tingia os cabelos), se for candidato, André poderá ser alvo de comparações negativas com postulantes mais novos, sofrendo assim o estigma da idade. PESA! Também no processo eleitoral os resultados do uso do marketing no espaço digital impressiona. Repete-se a máxima de que a mentira repetida vira verdade. A tecnologia caminha à frente da lei. Com os avanços notórios, o pleito de 2022 deverá ser incomparável. O celular - arma poderosa nesta guerra de fake news, pesquisas e charges. Sabe como é... OPINIÃO: “...É preciso ir além do limite das urnas, analisar com frieza as condições de governabilidade que cada candidato terá, como vencedor do caro presidencial, para conduzir o país em “ordem e progresso”. Nisso precisa avaliar o passado de cada um, pois é a condicionante do presente, que se apresentará num mandato de quatro longos anos...” (Vittório Medioli – prefeito de Betim-MG) AÇÕES PARLAMENTARES: Neno Razuk (PTB): quer isenção de ICMS nos veículos exclusivos para deficientes; Governo atendeu seu pedido de abertura de concurso para perito forense. Amarildo Cruz(PT): pede criação de restaurante popular na capital para atender pessoas carentes: apoia criação do Curso de Veterinária na UEMS de Aquidauana; CCJR aprovou alteração que sugeriu para outorga da Medalha Zumbi dos Palmares. Barbosinha (DEM): abordou aspectos relativos a demora do envio do projeto do Judiciário para reduzir as taxas cartorárias; pede solução para a falta de agua nas reservas indígenas de Dourados em situação de penúria; apoia criação do Curso de Veterinária na UEMS de Aquidauana. Gerson Claro (PP): presidiu reunião da CCJR apreciando 9 propostas legislativas; lidera movimento pela instalação de unidade da UEMS em Sidrolândia. Pedro Kemp (PT): registrou a demora do envio pelo Judiciário do projeto para reduzir as taxas cartorárias; criticou a lentidão burocrática no atendimento do INSS; pede ao Governo a revisão dos valores das taxas de inscrição dos concursos públicos face ao empobrecimento da população. REGISTRO: Cerca de 32 entidades cadastradas com esse fim já foram beneficiadas recebendo a quantia equivalente a 50% do salário a que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) tem direito. Sem dúvida, belo gesto e que deveria servir de incentivo para que outras figuras públicas doassem parte do que recebem do poder público. “Acorda Manoel”! PACIÊNCIA: A novela da ferrovia (antiga Noroeste) vai longe. Pela correspondência do Ministério dos Transportes ao deputado Evander Vendramini (PP), ela integra o processo de relicitação sem data para ocorrer. Há 25 empresas interessadas em construir novas ferrovias, mas esse processo é intricado, aliás como tudo no país onde o poder público é parte. MANDETTA: O ex-ministro da Saúde dedicando-se de corpo e alma as articulações de bastidores com as bênçãos de ACM Neto, manda chuva do DEM. Aliás, Mandetta já visitou o vice governador Murilo Zauith (DEM) para troca de impressões sobre o cenário após a criação do ‘União Brasil’. Ele não esconde, quer disputar o Senado pela futura sigla. Mas sem dinheiro não sairá do chão. NEBULOSO: Mais dúvidas, menos certezas. Uma campanha ao Senado custará R$40 milhões. Montar chapa competitiva para a Assembleia não é fácil. Atrair empresários para bancar a campanha impossível. A ministra Tereza Cristina sabe destes obstáculos. Mas como apoiar Bolsonaro aliando-se ao PSDB? E quem seria o senador do candidato Marquinhos Trad? Uma equação complicada.