Doze integrantes do PCC serão julgados por mortes em “tribunais do crime” - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sábado, 2 de outubro de 2021

Doze integrantes do PCC serão julgados por mortes em “tribunais do crime” - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Em outubro, 14 julgamentos estão previstos pelo TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). Destes, quatro são referentes a execuções ordenadas pelo PCC (Primeiro Comando da Capital) durante os chamados de "tribunais do crime". Ao todo, 12 réus envolvidos em crimes cruéis, como decapitações, serão julgados. O primeiro júri envolvendo os integrantes da facção criminosa é de Danilo de Souza Brito e Ghian Lucas Martinez. Ambos são acusados pela morte de Joice Viana de Amorim. A mulher foi decapitada ainda viva no Bairro Zé Pereira, em 14 de maio de 2018. -Segundo denúncia do MPMS (Ministério Público de MS), o crime aconteceu depois que a vítima tentou “recuperar” um chinelo furtado afirmando ser integrante do CV (Comando Vermelho). Já no dia 13 de outubro serão julgados: Rafael Aquino de Queiroz, Adson Vitor da Silva Farias e Eliezer Nunes Romero. O trio é acusado pelo assassinato de Sandro Lucas de Oliveira, 24 anos. Ele foi decapitado e enterrado pelo PCC (Primeiro Comando da Capital) na região da Chácara dos Poderes. O corpo foi localizado no dia 20 de julho de 2020. Em 20 de outubro, quatro integrantes do PCC sentarão no banco dos réus pela morte de Bruno Schon Pacheco, de 28 anos. São eles: Carlos Eduardo Ozório Martins, Denilson Ramires Cardozo, Igor de Oliveira Porto e Marcelo Leandro Barbosa Gotardo. Bruno foi encontrado morto em uma área de mata nos fundos da área invadida da construtora Homex, na região sul de Campo Grande, no dia 29 de julho de 2019. Segundo a polícia, Bruno foi morto porque estava devendo dinheiro ao PCC. Antes da morte, ele chegou a ser sequestrado e mantido refém em uma casa na Rua Souto Maior, no Tijuca, mas foi resgatado pela Polícia Militar. -