Polícia paraguaia prende “olheiro” que seguiu alvos de chacina com 4 mortos - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Polícia paraguaia prende “olheiro” que seguiu alvos de chacina com 4 mortos

Foi preso na fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul, mais um suspeito de envolvimento na chacina de quatro pessoas, na madrugada de sábado (9), em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha de Ponta Porã (a 323 km de Campo Grande). Derlis Javier López Arce, 22, foi preso durante as buscas iniciadas na noite de segunda-feira (11) e que tiveram sequência ontem, em vários endereços em Pedro Juan Caballero. Segundo o comissário Hugo Díaz, chefe de investigações no Departamento (equivalente a Estado) de Amambay, Derlis é suspeito de ter autuado como “olheiro”, acompanhando a movimentação dos alvos e repassando informações aos pistoleiros. Morreram na chacina, Osmar Vicente Álvarez Grance, o “Bebeto”, e três estudantes de medicina que tinham acabado de sair com ele de uma festa – Haylee Carolina Acevedo Yunis, 21, filha do governador de Amambay Ronald Acevedo, a mato-grossense Rhamye Jamilly Borges de Oliveira, 18, e a douradense Kaline Reinoso de Oliveira, 22. O paraguaio Bruno Elias Pereira Sanches, 18, e a também estudante de medicina Rhafaelly de Nascimento Alves, de Rondônia, ficaram feridos. Ontem, a brasileira foi transferida do hospital de Ponta Porã para outra cidade, por medida de segurança. Segundo a polícia paraguaia, foi Derlis que informou o local onde as vítimas estavam e o modelo de veículo conduzido por Osmar Grance. As investigações mostram que ele seria o único alvo do ataque, mas as estudantes acabaram mortas como “efeito colateral”. O comissário Hugo Díaz informou à imprensa paraguaia que Derlis Javier López Arce foi gravado por câmeras de segurança fazendo sinal aos ocupantes de uma caminhonete Toyota Hilux. Foi desse veículo, encontrado em chamas na noite de sábado, que saíram os três matadores armados com fuzis calibres 7,62 e 5,56. Eles dispararam 110 tiros. Na imagem, é possível ver o homem de camiseta vermelha fazendo sinal com a mão direita para os ocupantes da caminhonete. A suspeita é que os pistoleiros não conheciam Osmar Grance.