Com 500 filiados, sindicato reúne 20 e anuncia greve no transporte coletivo - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

segunda-feira, 3 de janeiro de 2022

Com 500 filiados, sindicato reúne 20 e anuncia greve no transporte coletivo -

Os ônibus do transporte público podem parar a partir de sexta-feira (dia 7) em Campo Grande. A greve foi aprovada em assembleia realizada pelos motoristas na manhã de hoje, reunindo 20 pessoas na sede do sindicato, que representa os 500 trabalhadores filiados. A categoria, entre motoristas e administrativos, reúne um contingente de mil trabalhadores na Capital. - Atualmente, a diretoria do sindicato conta com 40 pessoas, mas somente três participaram da assembleia e os demais tratavam-se de funcionários. A categoria decidiu que somente 30% dos cerca de mil funcionários vão continuar trabalhando, mas apenas para atender os trabalhadores da saúde, enquanto 70%, entre motoristas e outras funções, ficarão com braços cruzados. A decisão foi tomada em segunda convocação com o número de presentes, já que em primeira convocação não houve quórum, conforme exigência do estatuto do sindicato. O protesto é porque não será concedido o reajuste de 11,08%, pactuado no mês de novembro com a categoria. No fim do ano, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) determinou que as concessionárias de serviços públicos poderiam aplicar reajuste máximo de 5%. Desta forma, a tarifa passa de R$ 4,20 para R$ 4,40. Contudo, de acordo com o Consórcio Guaicurus, o aumento é insuficiente para custear o reajuste dos motoristas. De acordo com o presidente do Sindicato de Trabalhadores do Transportes de Campo Grande, Demétrio Freitas, a última grande greve dos ônibus aconteceu em 1994. “Desde então, foram várias paralisações intermediárias, de horas, que não chegaram a durar o dia inteiro”. - O presidente do Consórcio Guaicurus, João Rezende, afirma que protocolou no último dia 30, um pedido para que o prefeito reveja o decreto que limita o aumento a 5%. “Isso nos coloca em situação de vulnerabilidade operacional”, afirma. O consórcio pede aplicação da tarifa de R$ 5,12 (cálculo que inclui isenção do Imposto sobre Serviços).