Crianças lotam corredores em hospitais da Capital com sintomas gripais - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Crianças lotam corredores em hospitais da Capital com sintomas gripais -

As alas pediátricas de alguns dos principais hospitais de Campo Grande, que recebem pacientes de todo o Estado, estão lotadas há algumas semanas. No HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), há falta de leitos e crianças estão nos corredores aguardando atendimento, especialmente com sintomas respiratórios. Boletim epidemiológico divulgado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), há duas semanas, já alertava para o aumento dos casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) no público infantil, em todo o Brasil, a partir de diferentes vírus, tais como o VSR (vírus sincicial respiratório), influenza e até o coronavírus. Nesta semana, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) liberou vacinas contra a gripe a indivíduos de seis meses a menores de cinco anos, além de gestantes em qualquer idade gestacional, como forma de reduzir danos por conta do aumento de doenças respiratórias entre crianças. Inicialmente, esta fase seria feita em 2 de maio. Imunizantes contra o coronavírus também estão disponíveis para qualquer criança acima dos cinco anos, mas dados da SES (Secretaria Estadual de Saúde) indicam que somente 17,2% da faixa etária até os 11 anos, está com duas doses. - uma mãe relata que a filha, uma bebê de um ano, está internada no HRMS com bronquiolite e pneumonia. “Estou na ala vermelha e vejo sufoco para uma mãe conseguir uma vaga.” Segundo ela, é comum ambulâncias do Samu (Serviço de Atendimento Móvel) chegarem na unidade hospitalar com pacientes crianças. No Humap (Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian), na manhã de hoje, havia 15 pacientes no Pronto Atendimento Pediátrico, onde há apenas oito unidades. Maioria dos enfermos (9) está com doenças respiratórias. Na pediatria, 17 dos 18 leitos clínicos ou leitos cirúrgicos estão ocupados com pacientes, sendo quase metade (7) de doenças respiratórias. -