Senadora Simone: a próxima vítima do MDB - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 15 de abril de 2022

Senadora Simone: a próxima vítima do MDB

‘A PRÓXIMA VÍTIMA’: O roteiro daquela novela do Silvio de Abreu na Globo era outro. Dela uso o título para lembrar da trama do MDB contra a senadora Simone Tebet. Mas traição não é coisa nova nos mares da política. Ela é um dos conceitos preconizados por Maquiavel. O tinhoso senador Renan Calheiros (MDB) e o ‘coronel’ José Sarney são seguidores fieis de Maquiavel. E ninguém avisou a senadora? ESTRATÉGIA: Pelas eleições no período após a redemocratização percebe-se que o MDB optou pelo estratégico papel de coadjuvante e de equilíbrio de forças junto ao poder. Embora forte nos Estados, a sigla jamais teve uma liderança nacional capaz de consolidar uma liderança de peso. Ficou sempre próximo ao poder e usufruiu das suas benesses. RETROSPECTIVA: Das últimas 7 eleições presidenciais o MDB disputou 3 e todos de resultados ruins. Em 1989 Ulysses Guimarães chegou em 7º lugar com 4,73% dos votos. Em 1994 Orestes Quércia foi 4º com 4,38%. Em 2018 Henrique Meireles (gastou R$54 milhões do seu bolso), chegou em 7º com 1,2% dos votos, perdendo para João Amoêdo (Novo) e Cabo Daciolo (Patri) que teria gasto apenas R$10 mil. ESTIGMA? Após deixar o Governo Paulista em 1991 sob suspeita de corrupção Orestes Quércia perdeu todas as eleições. Em 1994 tentou o Palácio do Planalto e teve menos votos do que o dr. Enéas, 4,38%, em 4º lugar. Em 1998 disputou o Governo de São Paulo e foi o 5º colocado, atrás de Paulo Maluf, Mario Covas, Marta Suplicy, Chico Rossi. Em 2002 disputou o Senado perdendo para Aloysio Mercadante e Romeu Tuma. Em 2006 tentou o Governo de São Paulo e perdeu para José Serra e Mercadante. PERIGOSAS: É preciso tomar cuidado com as alianças quando elas são incompatíveis com as trajetórias ou perfis de seus personagens. Algumas delas o eleitor não engole e nem perdoa nos cenários regionais ou nacional. A abordagem se justifica pelo clima e notícias que circulam revelando situações consideradas como esdrúxulas pela opinião pública. AÇÕES & DEPUTADOS: Paulo Corrêa (PSDB): Autor do projeto homenageando o pioneiro Clovis de Barros com seu nome batizando a MS.214 ligando Coxim ao Paiaguás em Corumbá; recebeu a visita do arcebispo Dom Dimas Lara; sugere a criação da CNH Social para motos. Zé Teixeira (PSDB): pede a reforma da Escola Estadual do Distrito de Itahum; pede ao Governo Estadual melhorias diversas para Douradina, Jardim e Jaraguari. Lucas de Lima (PDT): após sua aprovação em 2ª. votação, foi a sanção seu projeto que venda planos de saúde de limitar consultas e sessões de fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e psicoterapia no tratamento de autistas. Barbosinha (PP): repercutiu o desempenho da economia do MS, a 1ª. do país segundo a Folha de São Paulo; enalteceu a licitação de obra pelo Governo Estadual de infraestrutura em Angélica. Mara Caseiro (PSDB): pede construção de novo prédio do Detran em Nioaque; quer a retirada de sucatas do pátio do Detran de Itaquiraí; requer a construção de um parque infantil em Caracol; solicita melhorias para a população de Vila Formosa, em Dourados. PESADELO: Ainda sem futuro político definido, mas com espaço na mídia, o ex-ministro Luiz H. Mandetta já antevê uma situação pessoal de pânico se tiver que escolher entre Bolsonaro e Lula num possível 2º turno. Lembra que desde jovem é contra anular o voto, mas que o cenário que se avizinha é retrógado, tem cheiro de roupa velha e mofo. MANDETTA: Atento aos números das pesquisas e às movimentações das lideranças partidárias neste período efervescente, ele parece não acreditar no sucesso da confusa terceira via. João Dória (PSDB), Simone Tebet (MDB) e Eduardo Leite (PSDB) não encantam, enquanto o ex-Juiz Sérgio Moro (Podemos) vai se afogando nas águas da inexperiência política e das contradições. PINDAMONHANGABA: Como estará a cabeça do eleitor da pacata terra natal de Geraldo Alckmin (PSB) após sua união com o PT e a divulgação do projeto (à esquerda) petista de volta ao poder? Qual seria mesmo o papel do ex-governador neste cenário e governo? Protagonista ou meramente decorativo? Esse eleitor interiorano conservador, ainda sem as respostas convincentes. PATINANDO: A desistência de Zeca do PT fez o partido reciclar buscando alternativas para dar palanque a Lula no MS. Convenhamos que falta à pré-candidata Giselle Marques a devida musculatura eleitoral. E está no ar um certo clima de desânimo do próprio ex-governador que tem excelentes relações com o governador Reinaldo e o candidato Eduardo Riedel (PSDB). Entendeu? INCÓGNITA: Como os interesses regionais se sobrepõem aos interesses políticos nacionais, já se questiona qual seria a posição petista num eventual 2º turno da sucessão estadual. Quem o PT apoiaria publicamente? Nestas horas pesam vários aspectos e interesses de bastidores que o eleitor não tem conhecimento. Coisas da política. LEGISLATIVO & AÇÕES: Pedro Kemp (PT): pede a retomada pelo Estado e municípios das cirurgias eletivas suspensas durante a pandemia; acompanhou a visita institucional do arcebispo Dom Dimas Lara à presidência da Casa. Gerson Claro (PP): pede à Agraer o fornecimento de equipamentos diversos aos 457 assentados rurais de Alecrim, Canoas e São Joaquim em Selvíria; atento às obras de asfaltamento de rodovias e melhorias de vicinais para facilitar o final do escoamento da safra; pede reforma do ginásio de esportes de Cassilândia. Capitão Contar (PRTB): condenou em indicação à Aneel o aumento de 16% da energia elétrica pedindo a suspensão do mesmo; Paulo Duarte (PSB): representando a Assembleia Legislativa por delegação do presidente Paulo Corrêa, acompanha as negociações anunciadas pela Vale para a venda da unidade de mineração de Corumbá. Lídio Lopes (Patriota): é seu o projeto declarando de utilidade pública a Associação Municipal dos Servidores de Nível Superior com sede em Campo Grande e que será encaminhado à CCJR. FIRME NO LEME: Antes de sua posse na prefeitura de Campo Grande ouvi questionamentos quanto ao tino administrativo da prefeita Adriane Lopes. Isso é natural. Mas além da equipe técnica sincronizada, há de se levar em conta de que ela foi uma vice prefeita protagonista, vivenciando a gestão de Marquinhos Trad. Sobre sua postura só tenho ouvido elogios. MACHADO DE ASSIS: “ Isto de política pode ser comparada a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo: não falta nada, nem o discípulo que nega, nem o discípulo que vende. Coroa de espinhos, bofetadas, madeiro e afinal morre-se na cruz das ideias, pregado pelos cravos da inveja, da calúnia e da ingratidão”. OS PROCURADOS: Prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, ex-vereadores, profissionais liberais de destaque, presidentes de entidades e personalidades ativas das comunidades continuam sendo referências dos candidatos ao Governo no interior do Estado. Aquele papo regado a cafezinho e a conversa que revela identidades pode gerar bons frutos e votos. Sabe como é! DEPUTADOS & AÇÕES: Amarildo Cruz (PT): Considerado constitucional pela CCJR seu projeto denominando ‘Dionísio Antônio Vieira’ a rodovia MS-10 entre Rochedinho e Furnas do Dionísio; presente ao encontro do arcebispo Dom Dias com o presidente Paulo Corrêa; defende a pesca de subsistência afetada por decreto e pede diálogo. Evander Vendramini (PP): sancionada sua lei denominando Ruiter Cunha a rodovia MS.454 do entroncamento da BR-262 sentido ao Forte Coimbra. Sancionada lei de sua autoria instituindo o Dia da Caçambeiro a ser comemorada no dia 30 de setembro. Neno Razuk (PL): Destacou a liberação de R$28 milhões em emendas parlamentares pelo Governo Estadual para vários segmentos sociais; registrou cumprimentos pelo 124º aniversário de Coxim; pede perfuração de poço profundo para atender comunidade indígena de Paranhos. Marçal Filho (PP): neste mês de ‘Abril Azul’ vale lembrar a Lei de sua autoria em vigor há mais de um ano que garante identificação do autista em seu RG – representando mais cidadania. Antônio Vaz (REP): aprovado seu projeto tornando obrigatória a comunicação às autoridades policiais e sanitárias casos de maltratos de animais em condomínios; tem proposta para criar Programa de Informação e Conscientização pela Qualidade de Vida da população. DEFINIÇÃO: “...Putin não é um maluco capaz de qualquer loucura por capricho. Tem projeto de poder e fortuna, para ele e seu núcleo duro. Pode errar no caminho, mas sabe aonde quer (e não quer) chegar. Ao se sentir ameaçado, ao contrário de Che Guevara, não vacilará em ‘endurecer e perder a ternura’, seja com seus oponentes estrangeiros, seja com seu povo...” (Felipe Melo). O ARTILHEIRO: Em termos de benefícios práticos para as prefeituras e entidades de cidades do interior e capital, o senador Nelsinho Trad (PSD) vem se destacando com liberação de verbas principalmente. Com residência em Brasília ele tem maior disponibilidade para os contatos imprescindíveis nos ministérios, fundações, autarquias e outros órgãos federais. HUMOR & ELEIÇÕES: Na caça aos votos os partidos políticos continuarão acolhendo aquelas “celebridades” e os tipos mais excêntricos. Atletas, cantores e artistas em geral. É voz corrente inclusive que aquele morador de rua de Brasília, famoso da noite para o dia, já estaria acertado para disputar uma cadeira na Câmara Federal. É o que temos, sem puritanismo. SONHO DOURADO: O ex-governador Puccinelli (MDB), pré-candidato ao Governo faz o que pode para estar de bem com todos nesta fase inicial de mais uma jornada. Numa entrevista à radio Patriarca de Cassilândia ele acabou deixando escapar que pretende ter em seu palanque a deputada Rose Modesto (União Brasil) e a candidata ao senado Tereza Cristina (PP). Mas não explicou a formula mágica para tornar realidade esse projeto. RUBEM ALVES: “Suspeito que nossas escolas ensinem com muita precisão a ciência de comprar as passagens e arrumar as malas. Mas tenho sérias dúvidas de que elas ensinam os alunos a arte de ver enquanto viajam.”