Casa de professora acusada de abuso é alvo de buscas - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 13 de maio de 2022

Casa de professora acusada de abuso é alvo de buscas -

 A Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) fez buscas na casa da professora de 30 anos, investigada por abusos físicos e sexuais de ao menos cinco crianças de 3 a 5 anos, na Mon Petit, escola de Educação Infantil localizada no Bairro Santa Fé, em Campo Grande. O colégio afastou a educadora. - Segundo a delegada Fernanda Mendes, titular da delegacia, a representação foi feita na quarta-feira e as buscas foram realizadas na tarde de ontem (11). Na residência, foram apreendidos dois celulares, da professora e do marido dela, pendrive, computador e CDs. Os equipamentos serão periciados. “Serão analisados para saber se há armazenado algum conteúdo de abuso sexual infantil.”


Conforme Fernanda, são cinco casos em investigação, dois de maus-tratos e três de estupro de vulnerável, de 3 meninas e 2 meninos. Os proprietários da escola foram intimados e serão ouvidos a partir da semana que vem. Os professores da educação infantil também serão chamados.


As crianças foram ouvidas pelo setor psicossocial e não conseguiram verbalizar os casos de estupro. Já os maus-tratos foram confirmados pela polícia. “A investigação sobre os abusos sexuais será em cima do material apreendido, das provas testemunhais e de outras diligências futuras”, disse. -Sobre a questão de maus-tratos, a delegada disse que são puxões de cabelo. Um dos casos aconteceu há 1 ano e foi registrado pelos pais da criança na última quarta-feira (11). A mãe tirou a filha do colégio e registrou a agressão na ata do colégio. A mulher flagrou a agressão pela câmera de segurança da unidade.


“A escola tem câmeras de segurança e os pais têm acesso às imagens pelo celular. Essa mãe viu a professora puxando o cabelo da filha”, explicou a autoridade policial. O HD com a gravação já foi recolhido, inclusive, as imagens que dão acesso ao banheiro. A professora trabalhava há 7 anos no colégio.


Caso - A reportagem apurou que as situações com as crianças aconteceram entre 2020 e este ano. Contudo, só nesta semana (11), cinco boletins de ocorrência foram registrados na Depca, um para cada criança que teria sofrido violência dentro da escola. -