Mato Grosso do Sul é primeiro colocado em índice de desenvolvimento do agro brasileiro - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 29 de junho de 2022

Mato Grosso do Sul é primeiro colocado em índice de desenvolvimento do agro brasileiro

 Mato Grosso do Sul ocupa a 1ª posição no ranking  do Índice de Desenvolvimento da Agropecuária Municipal (IDAM), estudo inédito elaborado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que avalia o setor em todas as cidades do país levando em consideração o crescimento equilibrado da produção, da geração de emprego e de empresas voltadas para o agro, do investimento e da arrecadação municipal. 

Até o ano passado, o Estado obteve índice de 0,6941 (em uma escala de zero a 1), seguido por Mato Grosso, com 0,6652 e o Paraná, com 0,5926.

Entre os municípios sul-matogrossenses, Maracaju é primeiro no ranking estadual e 8º no nacional, com índice de 0,9375; seguido por Sidrolândia, com 0,9272, em 12º no Brasil; Rio Brilhante, com 0,9248, ocupando a 13ª  posição nacional; e em quarto no Estado e 17º nacionalmente aparece Chapadão do Sul, com índice IDAM de 0,9209. Entre as 100 maiores cidades agro do país, Mato Grosso do Sul tem 13 municípios.

Já o município de Ladário é o último colocado no ranking do Estado e o 5.137º no país, com índice de 0,1731; em penúltimo e 2.970º nacionalmente aparece Mundo Novo, com índice de 0,3750. Fátima do Sul está um pouco melhor no ranking, sendo antepenúltimo no Estado e 2.505º no Brasil, com 0,4248.    

De acordo com a entidade, o índice, divulgado este mês, foi elaborado para apoiar os prefeitos no planejamento  e organizar as ações municipais de incentivo ao desenvolvimento da produção rural, sendo uma “ferramenta para avaliação da atividade agropecuária na economia municipal, visando ao desenvolvimento municipal sustentável construído a partir de uma série de indicadores para medir o grau do desenvolvimento das atividades ligadas ao campo.”.

Por esse motivo leva em consideração o crescimento da produção rural, da geração de emprego e de empresas voltadas para o agro, do investimento e da arrecadação municipal, diferenciando do ranking PAM (Produção Agrícola Municipal), que é elaborado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que utiliza outros critérios. De acordo com o PAM-IBGE, Maracaju ocupa a 14ª posição, Sidrolândia a 18ª; e Ponta Porã a 20ª.  

De acordo com a área de estudos técnicos da CNM, 39% dos 5.568 municípios tem índice IDAM de até 0,2; outros 12% entre 0,2 e 0,4; 30% entre 0,4 e 0,6; 17% entre 0,6 e 0,8 e 2% acima de 0,8.

Só que em Mato Grosso do Sul o percentual de cidades com índice superior a 0,8 chega a quase 20%. São ao todo 14 localidades. Outros 42 municípios estão entre 0,6 a 0,8, o que corresponde a 53% das 79 cidades.

Com esses critérios diferentes, no geral Mato Grosso do Sul lidera o ranking IDAM, com  índice de 0,6941; seguido por Mato Grosso com 0,6652; Paraná, com 0,5926; Goiás, com 0,5619; Rio Grande do Sul, com 0,5306; e São Paulo, com 0,5193.

Critérios

Na composição do IDAM foram levantados dados municipais com divulgação anual com o objetivo de permitir acompanhar de 2016 até o ano passado a atividade rural das localidades, com os dados  distribuídos dentro das quatro dimensões: produção agropecuária, geração de emprego, arrecadação, e crédito.

Para o cálculo do índice, os municípios foram avaliados por scores para cada um dos indicadores, compreendidos entre zero e um, que determinam o desempenho da localidade no ano diante dos demais municípios brasileiros. Desta forma, segundo área técnica da Confederação, foi “possível ordenar os municípios de forma que aqueles com Idam mais próximo de 1 (um) apresentam maior atividade agropecuária; enquanto um IDAM mais próximo de 0 (zero) indica uma baixa atividade rural.”

O estudo aponta que a agropecuária brasileira no ano passado chegou ao valor bruto da produção de R$ 1,12 trilhão, gerando renda ao produtor e movimentando o comércio local. Segundo a CNM o  agronegócio traz grande impacto positivo na balança comercial brasileira e representa 23% do Produto Interno Bruto (PIB).