O potencial e desafios dos seis pré-candidatos - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 3 de junho de 2022

O potencial e desafios dos seis pré-candidatos

 FALAR & FAZER:  Do festejado livro ‘Sem Data Vênia: Um olhar sobre o Brasil e o Mundo”, de autoria do ministro Luiz Fernando Barroso (STF) selecionei para registro as suas últimas três linhas: “Não importa o que esteja acontecendo a sua volta: faça o melhor papel que puder. E seja bom e correto, mesmo quando ninguém estiver olhando. ”

DESAFIOS: Denominados ainda como pré-candidatos, os futuros postulantes ao Governo Estadual já estão a caça de votos. Paralelamente vão negociando apoiamentos para viabilizar chapas competitivas e pinçando nomes para vice-governador, Senado e suplências. Mas cada qual com seu estilo e potencial para tentar superar os desafios na  campanha.

ANDRÉ PUCCINELLI: Currículo com mandatos no Legislativo Estadual e Câmara Federal, prefeito de Campo Grande e governador também por 2 mandatos. Seu discurso centrado no binômio competência e experiência. Mesmo absolvido na justiça terá que dar explicações convincentes de sua prisão por denúncia de corrupção. Outro desafio: agregar novas lideranças ao envelhecido MDB. 

CAPITÃO CONTAR: Aceitou o risco de trocar sua reeleição praticamente assegurada para a Assembleia Legislativa por um embate contra nomes experientes ou conhecidos. O desafio é justificado pela sua lealdade impar ao presidente Bolsonaro e para viabilizar o projeto trocou o PSL pelo PRTB. Sem grupo, não deu pistas dos nomes que irão acompanhá-lo. Homem de coragem.

EDUARDO RIEDEL: Vitorioso na iniciativa privada, inclusive na Famassul, é tido como responsável pelo bom desempenho do Governo do Estado através de sua secretaria. Com discurso técnico promete dar às questões sociais o mesmo olhar voltado ao setor econômico/produtivo. Tem o aval do governador Reinaldo e o seu PSDB governa a maioria dos municípios, onde reside sua maior força. 

DEPUTADOS & AÇÕES:   Paulo Corrêa (PSDB): aprovado seu projeto ( em parceria com Amarildo Cruz) criando a Comenda Asa Branca para homenagear pessoas nascidas no nordeste ou seus filhos com serviços relevantes prestados.  Zé Teixeira (PSDB): seu projeto declara de utilidade pública estadual a Associação Paradesporto de Alto Rendimento Monte Sião, em Dourados.  Lucas de Lima (PDT): aprovado em 2ª. votação projeto ‘Julho Sem Plástico’ e foi para sanção do Governo; institui e inclui no Calendário de Eventos do Estado o ‘Dia do Vacinador’. Gerson Claro (PP): comemora os investimentos de R$6.159.625,53 que pediu para recuperar 40,5 km de estradas vicinais em Sidrolândia; R$6.681.652,98 para recuperação de 95,9 km de estradas em Nova A. do Sul e R$6.043.199,36 de 45,2 km de  estradas vicinais em Costa Rica.  Neno Razuk (PP): esteve em Bodoquena onde destinou R$50 mil para a educação; visitou Rio Verde que  recebeu emenda de R$120 mil para a saúde; solicitou ao Governo envio de cobertores e agasalhos para a população carente de Coxim.

GISELLE MARQUES: Sairia (em tese) do patamar de 10,26% que o PT obteve em 2018 com Humberto Amaducci. A missão seria garantir o palanque local do PT ao pré-candidato Lula ao Planalto e viabilizar as bancadas estaduais e federais. Se o clima nacional for favorável ao PT, a previsão é que seja beneficiada. Mas falta-lhe pegada e carisma.

MARCOS TRAD: Passou pela Câmara de Vereadores, Assembleia Legislativa, eleito por duas vezes prefeito de Campo Grande. Contrariou as previsões renunciando ao cargo para disputar o Governo. O fato deverá constar na agenda de debates ao longo da campanha como ele vem abordando nas entrevistas. É a grande aposta do PSD em nível de Brasil. Tem o DNA da política.

ROSE MODESTO:  Uma estrela em contínua ascensão por mérito pessoal. Mesmo na adversidade das urnas ela acabou colhendo dividendos e se firmando na liderança. Quem imaginou que ela estaria blefando perdeu. Pré-candidata, percorre as cidades do interior e já tem nomes interessantes para acompanha-la na empreitada. Garra e simpatia.

VOLTA POR CIMA:  Do fundo do poço após a gravação com Joesley Batista, Aécio Neves se elegeu com dificuldades deputado federal. Após fritar João Dória, virou protagonista ao responder as críticas de Lula - segundo as quais o ‘PSDB acabou’. Aécio vai comendo pelas beiradas e pelos números da ‘Paraná Pesquisas’ já seria o líder para o Senado em Minas Gerais.

LUTO & POLÍTICA:  As mortes do ex-vereador Fausto Mato Grosso e da ex-primeira dama da capital Ruth Martins (Plínio B. Martins) atraíram personalidades e políticos de todas as matizes ao Cemitério  Parque das Primaveras. Apesar das máscaras anti-Covid era possível ouvir referências a fatos e nomes envolvidos nas eleições. Aliás, velório em ano eleitoral tem essa característica.  

AÇÕES & DEPUTADOSMara Caseiro (PSDB): solicita a reforma do prédio da sede da AGRAER em Mundo Novo; requer a instalação de posto policial no local  conhecido como Recanto dos Pintados em Corguinho; pede ao Estado a reforma das cabeceiras das pontes do Córrego dos Macacos e Mimoso em Paraíso das Águas.  Capitão Contar (PRTB): já destinou R$240 mil em emendas para a saúde Coxim, viabilizando compra de veículo para o Hemosul e medicamentos de alto custo; atento a aplicação de recursos públicos em benefício da população carente.  Antonio Vaz (REP): Comemora o sucesso da campanha ‘Driblando a Fome’ que arrecadou 60 toneladas de alimentos entregues aos carentes do Estado; atento as campanhas de vacinas imunizatórias no Estado. Marçal Filho (PP): na CCJR seu projeto criando a reeducação do autor de violência doméstica; criticou aumento do pedágio na BR-163; critica ritmo das obras de duplicação da BR-463 entre o Trevo da Bandeira e o Hospital Regional de Dourados.  Pedro Kemp (PT): Na tribuna abordou o episódio  de violência envolvendo PRFs em Sergipe divulgado na mídia e deu ênfase ao comportamento racista daquelas autoridades federais.

TRAIÇÕES: Olhe nos carros e perceba que o festival de traições já começou. O eleitor não usa o adesivo com os nomes dos candidatos aos cargos majoritários e proporcional do mesmo partido. Na maioria dos veículos só tem o nome do candidato a deputado estadual ou do candidato a governador. Ambos candidatos no mesmo adesivo é raridade.

BRIZOLA  dizia que ‘a política gosta de traição, mas odeia o traidor’. Nem mesmo as fortunas à disposição dos partidos evitarão que candidatos sejam abandonados. É certo que a clausula de barreira e o fim das coligações proporcionais devam contribuir para infidelidade a candidaturas nacionais, principalmente. Ninguém é de ninguém!

MIRANTE: ´Vereadores do interior e da capital surfando na onda midiática das eleições. De Campo Grande 6 deles vão tentar a Câmara Federal e outros 16 postularão uma cadeira na Assembleia Legislativa. Independentemente do sucesso da tentativa, eles serão beneficiados pela divulgação de seus nomes para futuras disputas. Sem dúvida.

FOGO DUPLO:  A pré-candidata Rose Modesto (União Brasil) deverá contar com 2 postulantes ao Senado: Sergio Harfouche (Avante) e Luiz H. Mandetta ( União Brasil). Com isso vão tentar minar as bases eleitorais da ex-ministra Tereza Cristina, declarada pré-candidata ao Senado. Como se diz: o jogo é bruto, mas não deixa de ser interessante.

DEPUTADOS & AÇÕES: José C. Barbosa (PP): Em Angélica iniciadas obras na Av. Franscico Marcolino à seu pedido; repudiou o anúncio de que haverá majoração do pedágio na BR-163; pediu instalação de Corpo de Bombeiros em Itaporã. Paulo Duarte (PSB): autor de moção de congratulações ao ‘Grupo Pantera’ idealizado pelo Instituto Homem Pantaneiro de Corumbá - pelo combate aos incêndios na Serra do Amolar e adjacências; ativo nas sessões e reunião da CCJR.  Amarildo Cruz (PT): aprovado seu projeto reconhecendo as feiras livres como atividade essencial em tempos de crises por moléstias diversas; repudiou a política de preços dos combustíveis.   Lídio Lopes (Patri): Como presidente nacional da UNALE esteve no Ministério da Cidadania assinando termo de acordo de cooperação técnica que abrange vários setores da sociedade.  Evander Vendramini (PP): pede a Sanesul viabilização técnica de levar água à várias famílias de Porto Murtinho, próximas a BR 267; seu projeto denomina ‘Silvio Sanchez Melhado’, a MS-438 entre o entroncamento da BR-060 e a MS-351 em Ribas do Rio Pardo.

NO PALCO:  Ao criticar os governadores por não reduzir o ICMS dos combustíveis, ao culpar  a Petrobrás na política de preços, Bolsonaro quer mostrar aos pobres que ao menos tenta conter a inflação. Na pratica é outra história! Mas bobagem mesmo foi ele sair em defesa dos Políciais Rodoviários Federais e dos cantores ‘breganejos’ que faturam em shows com grana das emendas secretas do Congresso através das prefeituras.

PROBLEMAS: Não faltam à pré-candidata ao Planalto Simone Tebet. Encontrar um companheiro que efetivamente acrescente algo mais e vencer os coronéis do MDB são tarefas complicadas. Aqui as manifestações de apoio são tímidas, inclusive dentro de seu partido.  Um observador de Três Lagoas – por exemplo – jura de pés juntos de que ela teria remotas chances de vencer naquele torrão.

ZUMBIS:  Eles são ignorados pelos políticos. O motivo é simples: eles não votam! Perderam a própria identidade existencial – laços familiares e sociais. Estão morando em nossas ruas (perto do Mercadão) e nas marquises de prédios comerciais. Ações paliativas existem, mas o número de moradores de rua na capital vem aumentando. Até quando?

FERIDAS: Algumas delas previsíveis na campanha eleitoral. Com tantos pré-candidatos impossível que alguns assuntos não aflorem nos debates. A construção do Aquário do Pantanal seria um deles. A propósito, em suas andanças pelo interior, o pré-candidato Marquinhos Trad foi perguntado se ele seria contra ou a favor da obra do aquário. Comedidamente respondeu: “Não sou contra, mas não era prioridade. E só os peixes ficaram presos no Aquário”.