Pré-candidatos: mais semelhanças do que diferenças - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

sexta-feira, 10 de junho de 2022

Pré-candidatos: mais semelhanças do que diferenças

 PANORAMA:   As eleições estaduais acenam para o equilíbrio de pré-candidaturas com razoável potencial de crescimento. Diferentemente de outros pleitos, onde quase sempre havia a chamada polarização entre candidaturas A e B, temos vários nomes em preparação para a formatação de chapas com discursos e propostas que chamam a atenção do eleitor.

2º TURNO: Primeira pergunta: quais os pré- postulantes ao Governo Estadual teriam  maiores chances de disputarem o eventual 2º turno? Segunda pergunta: concretizada essa hipótese, como ficaria o tabuleiro de negociações dos postulantes excluídos e também de outros partidos sem candidatos na chapa majoritária ao Governo Estadual?

HIPÓTESES:  Embora não se tenha nada oficializado em decorrência dos prazos previstos no calendário eleitoral, a movimentação de políticos, o noticiário e as próprias pesquisas acabam formando um cenário que induz possíveis favoritos. Claro, inegável, não podemos ignorar os fatos imprevisíveis e as influências da sucessão presidencial.

IRMÃOS  SIAMESES: Há quem defenda a tese de que entre os pré-candidatos haveria mais semelhanças (pontos em comum) do que diferenças pelas propostas que já acenam por aí em suas andanças. É possível, porque diante do quadro econômico social do Estado  e país,  analisando as perspectivas, não há espaço para reinventar a roda ou algo parecido.

OPINIÃO:  O eleitor, o leitor mais atento, detalhista já consegue perceber nas entrelinhas dos pré-candidatos essa igualdade de preocupações saudáveis na busca de soluções para determinados pontos do gerenciamento administrativo. Talvez as diferenciações fiquem mais restritas apenas as terminologias e roupagens, mas com o mesmo objetivo.

DEPUTADOS & AÇÕES: Paulo Corrêa (PSDB): ao estilo pragmático e democrático imprime ritmo produtivo às sessões, mantendo clima harmonioso ao longo das sessões. Um presidente notável. Zé Teixeira (PSDB): autor de projeto instituindo o Colar de Girassól para identificar deficiências ocultas nas pessoas; elogia o ritmo das obras do Governo Estadual nas zonas urbana e rural. Lucas de Lima (PDT): Sancionado seu projeto de lei elegendo dia 18 de janeiro como Dia do Vacinador; também é lei seu projeto que elege julho como ‘Julho mês sem uso de plásticos’ em pról do meio ambiente.     Paulo Duarte (PSB): Denunciou a implantação de lavouras de soja no Pantanal e os riscos de sua expansão; pede ao DNIT-MS construção de guarda corpo na ponte da rodovia MS 158 no rio Sucuriú próximo a Três Lagoas para evitar mais acidentes; pede antena de telefonia para Porto da Manga. Neno Razuk (PL): destacou a importância social para os municípios das chamadas ‘emendas fundo a fundo’; viu atendido sua solicitação para aumentar o efetivo policial em Aparecida do Tabuado.

CONVENHAMOS: Todos aqueles que já se colocam à disposição para disputar o comando do gerenciamento estadual tem a planilha de problemas, de soluções e naturalmente de seus respectivos custos. Afinal, dois mais dois sempre serão quatro. Não há espaço para promessas de ‘milagreiros’ que tiram coelho ou pombos da cartola.

A PARTILHA: Quando se fala em 2º turno admite-se ambiente para negociações de apoio por cargos e vantagens políticas. No universo político é normal, embora nem sempre o eleitor concorde ou entenda. O xis da equação política é saber quem estará nesta segunda eleição e quais seriam verdadeiramente os termos que a envolvem.

CONCLUINDO: Percebe-se que o eleitor, de um modo geral, não está apressado para definir quem escolherá para suceder a Reinaldo Azambuja. Exceção apenas aquele que de fato tem algum interesse ou envolvimento pessoal com a política. A preocupação está centrada nos desafios do dia, onde o bolso passou a ser a parte mais importante do corpo.

INEXPLICÁVEL:  No Governo Sarney foi criada a lei da impenhorabilidade da casa única da família. Uma garantia de proteção. Agora a Câmara Federal aprovou o projeto de Bolsonaro beneficiando as instituições bancárias credoras pondo fim a essa previsão social. Daqui apenas os deputados Dagoberto Nogueira (PSDB), Fabio Trad (PSD) e Vander Loubet (PT) votaram contra o projeto. O que os outros 5 deputados dirão em ano de eleições? E os banqueiros, sorrindo!

PANTANAL:  Primeiro foi a ameaça das destilarias de álcool em implantar as lavouras de cana de açúcar no pantanal ou nas regiões lindeiras.  Graças a opinião pública e a legislação, elas recuaram do projeto. Agora há a investida dos sojicultores em cultivar lavouras na região, conforme denúncia do deputado Paulo Duarte (PSB) documentada por fotos de satélite.  Espera-se a mesma reação da mídia, autoridades e da população.

AÇÕES & DEPUTADOS:   Barbosinha (PP): destacou as cerimonias indígenas dos Kaiowá e ao mesmo tempo em que pediu ajuda e assistência às aldeias; defensor de investimentos públicos nos municípios da Grande Dourados. Incansável. Amarildo Cruz  (PT): autor de projeto que exige transparência no patrocínio de eventos com verba pública; na tribuna criticou aprovação de projeto na Câmara Federal extinguindo a impenhorabilidade da única casa da família. Capitão Contar (PRTB): comemora a sanção governamental de seu projeto que prevê acesso à informação; lamentou os entraves que atrasam o trabalho da CPI da Energisa; virou lei seu projeto instituindo o Dia do Perito Forense.  Evander Vendramini  (PP):  comemora assinatura de convênio no valor de R$2,61 milhões do Fundo de Investimento Esportivo para reforma de ginásio poliesportivo; pede a inclusão da Covid na Frente Parlamentar de enfrentamento a Tríplice Epidemia.    Mara Caseiro (PSDB): Pede aumento do efetivo das polícias civil e militar em Ribas do Rio Pardo; seu projeto denomina Antônio de Souza trecho da rodovia MS 489 entre  a cidade de Naviraí e Porto Caiuá.

MUDANÇAS:    Percorrendo as amplas instalações dos prédios que abrigam o Tribunal de Justiça, o Tribunal de Contas e a Assembleia Legislativa é de se indagar: a continuar o sistema (que tem se mostrado eficiente) de funcionamento a distância destes órgãos, estaríamos diante de questionamentos sobre a funcionalidade e seus custos. Parece que entramos numa nova era.

PESQUISAS:  Insisto em lembrar que poucos acreditam nelas, mas a maioria devora seus números. Sem citar nomes, por razões obvias, vale dizer que elas mostram que nem tudo que parece é. Não há candidatos imbatíveis ou coisa que o valha. As tendências do eleitorado estão sempre em mutação. Nada é eterno - inclusive na política.

QUESTÃO DE TEMPO:  Questionado sobre a posição do seu PSB nestas eleições, o deputado Paulo Duarte foi claro: “O nosso partido apoia o pré-candidato Eduardo Ridel (PSDB)”. Quanto a postura de Ricardo Ayache, o deputado ponderou: “Hoje ele preside a Cassems e foi poupado da disputa, mas nas próximas eleições ele não escapará.”

REVIDE:  Após a esdrúxula e corporativista decisão do STJ prejudicando 48 milhões de usuários de planos de saúde, sobretudo os deficientes, de doenças crônicas, raras e autoimunes,  o deputado Fabio Trad (PSD) apresentou projeto obrigando os convênios e planos de saúde a arcarem com os custos destas doenças fora da lista da Agência Nacional de Saúde. Projeto oportuno e reparador. 

DEPUTADOS & AÇÕES:  Pedro Kemp: Criticou o projeto de Bolsonaro que beneficia os bancos acabando com a impenhorabilidade da única casa da família; sua proposta reconhece de utilidade pública a Associação Indígena de Sidrolândia.  Antônio Vaz  (Republicanos): presidente da Comissão da Saúde manifesta preocupação com o aumento dos casos do Covid e da Dengue e clama por  campanhas para conscientização do ato de vacinar em todas faixas etárias. Lídio Lopes (Patriota): atuante nas sessões, fazendo observações   importantes em projetos e assuntos diversos constantes das pautas das sessões. Sua experiência como presidente da Unale tem trazido subsídios aos colegas parlamentares. Marçal Filho (PP): viu aprovado seu projeto prevendo local especial para descanso dos enfermeiros em nossos hospitais públicos e privados. Gerson Claro (PP): prestigiou assinatura de convênios para repasses de quase R$23 milhões a vários municípios, inclusive para Rio Brilhante (R$1,782 milhão) para pavimentação, recapeamento, iluminação, ciclovia e sinalização da Av. Benjamin Constant.

O ESTILO: Cada político tem o seu. O governador Reinaldo Azambuja não é exceção. Sua postura  agrada pela sua simplicidade e respeito no trato com as pessoas das diferentes classes sociais. Outro ponto positivo é sua maneira de se comunicar, não usando expressões agressivas e adotando tom agradável na fala. Quem o conhece desde  Maracajú, atesta que ele  não foi picado pela mosca azul da vaidade.

DO LEITOR: “Seria bom que os candidatos a governador e presidente da república tivessem preparo e espírito de servir como o ‘comandante Sully’ que em 2009 pousou o seu Airbus 320 com 155 passageiros nas do rio Hudson em Nova York. Preparado, tomou a decisão corajosa e todos saíram ilesos. Nomeado pelo presidente Joe Biden ao Conselho da Organização Internacional da Aviação teve reconhecida sua atuação”.

BURROS N’ÁGUA: Se tivesse ouvido os conselhos Sergio Moro seria juiz. Mas picado pela mosca azul deu no que deu. Por último o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo cassou sua transferência de domicílio eleitoral.  Nestas horas vale lembrar que José Sarney foi candidato ao Senado pelo Amapá e Dilma Roussef por Minas Gerais sem qualquer contestação.

SALTO ALTO: Em termos de militância e de votos qual será o peso do dividido e confuso PSDB nacional à candidatura da senadora Simone que não anima e nem congrega as lideranças do MDB? O curioso é que a chamada mídia nacional ignora o fraco desempenho da senadora nas pesquisas em seu próprio Estado e na cidade onde foi prefeita.   

PERA LÁ!   Que bicho vai dar esse papo de que o Bolsonaro virá ao MS para acabar com o racha na direita conservadora? Assusto ao ler  que o  deputado Loester Truts quer fazer a ponte entre Riedel e a ala conservadora. Essas pautas seriam, entre outras, os clubes de tiro.  Pelo visto o nobre parlamentar, além de pouco produzir em Brasília, tem prioridades inconvincentes em seu mandato. Francamente...