Identificados mais três pistoleiros que mataram prefeito da fronteira - - CANAL MS

LEIA TAMBÉM

Campo Grande (MS),

Post Top Ad

quarta-feira, 13 de julho de 2022

Identificados mais três pistoleiros que mataram prefeito da fronteira -


 A polícia paraguaia divulgou a identidade dos outros três acusados de envolvimento direto no atentado contra o prefeito José Carlos Acevedo Quevedo, 51, em 17 de maio deste ano em Pedro Juan Caballero, cidade separada por uma rua de Ponta Porã (a 313 km de Campo Grande). Ele morreu quatro dias depois.


 -Segundo o Ministério Público, que conduz as investigações junto com a Polícia Nacional, os três foragidos teriam agido sob as ordens de Ronny Benítez, conhecido matador da fronteira. Foi ele que puxou o gatilho. - “Alemão” foi preso no dia 4 deste mês em Encarnación, na fronteira com a Argentina, após ser apontado como autor de outro assassinato ocorrido em Cambyretã, no departamento de Itapoá. Depois de ficar uma semana na capital Asunción, o pistoleiro foi levado ontem para o Centro de Reabilitação Social de Cambyretá.


Os investigadores já descobriram que os quatro pistoleiros que mataram o prefeito trabalhavam juntos como guarda-costas da mãe e da irmã do bandido paraguaio Papo Morales, na cidade de Iturbe, departamento de Guairá.


No dia 3 de julho do ano passado, os quatro pistoleiros se envolveram em confronto com vizinhos da família de Papo Morales e um deles disparou pelo menos cinco tiros com uma pistola Glock, a mesma usada para matar José Carlos Acevedo.


Na manhã desta quarta-feira (13), o comissário César Silgueiro, da Polícia Nacional, disse que a próxima fase agora é identificar os mandantes do assassinato do prefeito do Partido Liberal.


 -“Nosso objetivo agora é conectar os autores materiais com o autor intelectual”, afirmou o policial. A esperança dos investigadores é chegar aos mandantes através do celular de Ronny Ayala Benítez, encontrado com ele no dia de sua prisão.


Presos em MS – Os irmãos Báez e Ronny Ayala Benítez estavam no grupo ligado a Jarvis Pavão preso pela Polícia Federal com arsenal em dezembro de 2018 em Ponta Porã. Além dos irmãos Báez e Ronny Benítez, estavam no grupo Jonathan Gimenez Grance, sobrinho de Jarvis Pavão, e o ex-vereador de Ponta Porã Chico Gimenez, executado a tiros de fuzil um mês depois. -